Cachorrinha ganha admiração de todos por ajudar na coleta de lixo em Clementina (SP)


Lua acompanha Elcídio durante coleta de lixo em Clementina (Foto: Reprodução/TV TEM)
Lua acompanha Elcídio durante coleta de lixo em
Clementina (Foto: Reprodução/TV TEM)

Uma cadelinha SRD vem chamando a atenção de moradores de Clementina (SP) e virou atração na cidade, que tem um pouco mais de sete mil habitantes, na região noroeste paulista. O nome dela é Lua e ela “ajuda” todos os dias os coletores a recolher o lixo nas ruas do município.

A “colaboradora” é especial, ela sempre chega no horário, não tem preguiça de percorrer toda a cidade e o único salário dela é o carinho que recebe dos coletores de lixo. A partir das 6h30 ela já está na prefeitura para dar sequência no serviço, e de graça ainda. Ela é voluntária, nunca achei que ia encontrar uma cadelinha assim”, afirma o fiscal da prefeitura Jóvison da Silva.

Ela é a mascote dos funcionários da prefeitura. E a cadela tem um companheiro de trabalho preferido: o coletor de lixo Elcídio José Ferreira, 53 anos. Ela sempre o acompanha durante o percurso da coleta na cidade. E se engana quem pensa que Lua é o animal doméstico do coletor. “Não sou o tutor dela, conheci aqui no trabalho mesmo, é minha companheira há quatro anos, ela sempre do meu lado”, afirma o coletor.

Quando o caminhão sai, a Lua vai atrás e em alguns pontos é ela quem mostra o caminho para o motorista, que é novo na turma. “É um animal que não erra, ela pega o trajeto e vai embora, ela vai indicando o caminho e a gente vai seguindo ela”, afirma o motorista Fernando Lourenço.

Sempre que pode, o coletor faz um carinho na cachorra, mas ela gosta é mesmo de trabalhar e ela até chega a indicar o lixo na calçada. Elcídio sai para a coleta sempre às 7h e a Lua não sai do lado dele. São dez quilômetros por dia que os coletores andam até a hora do almoço. Ela acompanha o pessoal por todo esse trajeto.

Por onde passa, a equipe chama atenção e a Lua é praticamente uma celebridade em Clementina. “Já vi cachorra que fica na porta do hospital esperando o tutor sair, ou então no portão de casa esperando o tutor voltar do trabalho, mas seguindo o caminhão não”, afirma a dona de casa Neusa de Oliveira.

Na hora do almoço, os coletores voltam para o almoxarifado da prefeitura. Lua então ganha a recompensa de ajudar os funcionários na coleta: o almoço. O coletor sempre leva um pouco a mais na marmita para dar para companheira.

Depois do almoço, ela volta para a casa, porque a Lua tem tutora, é a aposentada Neusa Moura. A aposentada adotou a cachorra há mais de 10 anos, resgatada da rua. A dona de casa conta que adotou a cachorrinha por que não suportou vê-la na rua, com fome. “A gente achou na rua, e trouxemos para casa e está até hoje, ela passava muito fome, então demos amor e carinho para ela”, afirma.

Em casa ela tem outras companheiras, as cadelinhas Estrela e a Natasha, mas a SRD é a única que faz questão de sair de casa pra trabalhar. “Acho que isso aconteceu porque ela tinha costume de sair com meu marido de ônibus e meu marido brigou com ela. Então ela foi para prefeitura, agora ela não sai de lá. Meu marido fazia transporte de funcionários rurais e ela ia junto, mas aí eles brigaram e ela não foi mais”, afirma a dona de casa.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VEGANISMO

PRESSÃO PÚBLICA

RESILIÊNCIA

RECOMEÇO

FINAL FELIZ

RECIFE (PE)

RECOMEÇO

CONSCIÊNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>