ONG detecta aumento de animais abandonados em Macaé (RJ)


Foto: Divulgação / Ilustração
Foto: Divulgação / Ilustração

Além dos reflexos econômicos, como demissões e suspensão de contratos, os efeitos da crise da Petrobras nos municípios fluminenses têm afetado até mesmo cachorros e gatos domésticos. Em Macaé, polo petrolífero a 180 quilômetros do Rio, organizações não governamentais detectaram aumento na quantidade de animais, alguns de raça, abandonados nas ruas da cidade nos últimos meses.

Cães das raças golden retriever, poodle, labrador e até um pit bull foram resgatados nas últimas semanas pelo grupo Mascote Animal. Com ao menos 120 cães e gatos sob seus cuidados, os oito voluntários da ONG já não têm espaço para abrigar mais animais.

“Muitas pessoas vieram para Macaé por causa de trabalho e, agora, estão indo embora. Tem gente que abandona mesmo os animais e outros nos procuram, mas estamos lotados”, afirmou Rejane Esteves, de 34 anos, voluntária do Mascote Animal.

Estudante de Biologia, Rejane abriga 15 animais em casa. Gasta cerca de R$ 200 por semana com ração e medicamentos. “Os animais de raça são os que mais sofrem com o abandono porque estão acostumados a ter comida à vontade, não sabem procurar por alimento nem lidar com brigas por território. Acabam se machucando”, disse a voluntária. Segundo Rejane, muitas pessoas se sensibilizam com os animais abandonados, mas procuram a ONG por não saber o que fazer.

Dedicação

A psicóloga Fátima Cardoso, de 59 anos, abriga 15 cachorros em sua residência e cuida de 40 animais distribuídos em espaços cedidos por outras pessoas, os chamados lares provisórios. “Tem gente que pensa que minha casa é abrigo e abandona o animal na porta, na maior cara de pau. Mas eu não tenho mais condições”, afirmou ela, Integrante da ONG Pró-Animal Macaé.

Após o período sob cuidados nos lares provisórios, os animais são oferecidos para adoção. “Eles se machucam muito quando estão na rua, perdem a pata, ficam com o pelo feio. Aí, ninguém quer adotar”, afirmou Fátima, que há aproximadamente dez anos recolhe animais das ruas.

Gastos

Todos os custos com ração, medicamentos e castração são arcados pelos próprios voluntários. “Faço tudo por conta própria. Falta apoio das autoridades”, disse Fátima.

Feiras de adoção e mutirões de castração mensais têm sido realizados pelo grupo Mascote Animal e pela Pró-Animal Macaé na cidade. “Estamos pedindo à prefeitura que faça a castração gratuita há meses, mas não tivemos resposta”, afirmou Rejane.

A prefeitura de Macaé informou não haver dados disponíveis sobre o número de animais de rua na cidade, mas afirmou que há um projeto em estudo para a criação de um abrigo para cães e gatos, ainda sem data prevista para ser executado.

Fonte: Estado de Minas


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RECOMEÇO

BANALIZAÇÃO

CAZAQUISTÃO

DESMATAMENTO

BARBÁRIE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>