Flash infravermelho revela manchas 'escondidas' de pantera-negra asiática


Foto: Rimba Research Malaysia/Divulgação
Foto: Rimba Research Malaysia/Divulgação

Na Península Malaia, quase todos os leopardos são pretos. Isso não se repete em nenhuma outra parte do mundo habitada por esses felinos. À primeira vista, os leopardos-negros, também conhecidos como panteras-negras, não possuem manchas em sua pelagem como outros de sua espécie.

Porém – ao acionar o “modo noturno” de uma câmera escondida na floresta para captar imagens dos animais da região – cientistas se surpreenderam ao constatar que o flash infravermelho revelou um padrão complexo de manchas na pele do felino que, a olho nu, passa despercebido.

Os pesquisadores publicaram essas conclusões no “Journal of Wildlife Management” nesta semana. A revelação das manchas das panteras-negras, além de ser curiosa, pode ser muito importante para o acompanhamento da situação desses animais.

Manchas permitem identificar indivíduos

O fato de os leopardos da região serem quase inteiramente pretos torna praticamente impossível identificar um espécime do outro, dificultando o controle da população de felinos.

Com a revelação das manchas por meio da câmera, vai ser possível identificar individualmente os animais e estimar o tamanho da população de panteras-negras na península do sudeste asiático. Em um teste feito pelos pesquisadores, foi possível identificar 94% dos animais. “Isso vai permitir estudar e monitorar essa população ao longo do tempo, o que é crítico para sua conservação, disse Laurie Hedges, que liderou a pesquisa.

“Este é, talvez, o único exemplo conhecido de um mamífero selvagem com uma população praticamente inteira composta de indivíduos negros e cientistas não têm ideia sobre por que eles predominam na Península Malaia. Entender como os leopardos da Malásia estão se saindo em um mundo cada vez mais dominado pelos humanos é vital”, completou Laurie.

A pesquisa é resultado de um projeto conjunto feito pela Universidade de Nottingham Campus Malásia, pela organização ambiental Rimba, pela WWF-Malásia, pela Universidade James Cook, da Austráia, e pelo Departamento de Vida Selvagem e Parques Nacionais da Malásia Peninsular.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

COMPANHIA

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>