Ativista comemora condenação de mulher que matou 37 animais:"Agora temos que vê-la atrás das grades"


Bichos foram encontrados mortos dentro de sacos de lixo Reprodução/ Rede Record
Bichos foram encontrados mortos dentro de sacos de lixo
Reprodução/ Rede Record

A condenação de Dalva Lina da Silva a 12 anos de prisão por maus-tratos e pela morte de 33 gatos e de quatro cachorros foi comemorada pela protetora de animais Raquel Rignani, uma das primeiras a denunciar Dalva. Em entrevista ao R7, Raquel contou que em 2008 desconfiou do comportamento da mulher, que era conhecida por receber, abrigar e encaminhar para a adoção cães e gatos abandonados na cidade de São Paulo.

“Sou protetora independente e, quando tenho muitos animais, peço auxílio. Pergunto pela internet quem pode ajudar ficando com alguns [até a adoção]. Ela falou que ficaria. Eu resgatei e levei um gato. Falei: “Se eu arrumar um adotante, amanhã eu volto”. No dia seguinte, resgatei outro gato e pedi o primeiro que havia deixado. Ela falou que já tinha doado. Então, eu disse: “Você não doou o gato. Ninguém doa um gato do dia para outro”.

Intrigada com aquela situação, Raquel começou, por conta própria, a levantar mais informações. Chegou a montar campana na porta da casa da mulher.

“Fiquei de campanha umas cinco, seis vezes. Via os gatos entrarem, mas nunca saírem. Avisei a todos os protetores para não mandar gato nem cachorro para ela”.

Outros ativistas da área acabaram sendo mobilizados e um detetive particular foi contratado para investigar o caso. Segundo informações da Justiça, o profissional permaneceu por cerca de 20 dias observando a movimentação na casa da mulher e constatou que os animais recebidos por Dalva permaneciam no imóvel. Certo dia, ele a viu sair com cinco sacos de lixo e colocar o material em frente à casa vizinha. Ao abrir os sacos, descobriu os 33 gatos e quatro cachorros mortos.

De acordo com a sentença dada pela juíza Patrícia Álvarez Cruz, “os cadáveres apresentavam lesões perfurantes”. Ainda conforme o texto, o “laudo toxicológico constatou que os animais foram medicados com fármaco de uso controlado, que não garantia a analgesia, sendo posteriormente mortos por ação de múltiplas perfurações dos grandes vasos e do coração, que culminou com a morte por choque circulatório, de acordo com o relatório de necropsia”.

Na fase policial, Dalva chegou a argumentar que matou alguns animais com o uso de injeções contendo analgésicos porque eles estariam “em fase terminal”, mesmo sem ter formação acadêmica para fazer essa avaliação. Entretanto, segundo a sentença, nenhum deles “estava em situação que recomendasse ou autorizasse a morte induzida”. Quando interrogada em juízo, ela negou a prática dos crimes.

Raquel Rignani considera a decretação da prisão de Dalva por maus-tratos e pela morte dos animais, algo até então inédito no País, um marco.

“Para nós, é a primeira luta ganha para colocar um assassino na cadeia. Significa muito, não só para mim, mas para todos que gostam de bicho. Agora temos que vê-la atrás das grades […] Isso foi um marco. É muito importante termos conseguido essa vitória. Só conseguimos por causa da união dos protetores de animais”.

Fonte: R7


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PROTEÇÃO ANIMAL

CRUELDADE

GRATIDÃO

ESPECIAL

ALEGRIA

VÍTIMAS DA CAÇA

MAUS-TRATOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>