Caçada a vira-lata apaixonado evidencia o desafio dos animais de rua


Valentina agora tem um lar: o casal Luis Henrique e Bruna viu na pata estendida da cadelinha um pedido Foto: Divulgação
Valentina agora tem um lar: o casal Luis Henrique e Bruna viu na pata estendida da cadelinha um pedido
Foto: Divulgação

A paixão por Olívia Palito deu fama a Xerife e, ao mesmo tempo, dividiu opiniões sobre seu destino. Mas, por enquanto, não se sabe qual será o futuro do cão de rua que há mais de três meses montou guarda na porta da casa onde mora a cadela amada, no Bairro Prado, na Região Oeste de Belo Horizonte. O cachorro está desaparecido desde o sábado, quando fugiu a caminho de uma clínica onde seria castrado, e uma caçada teve início na tentativa de localizá-lo. Por enquanto, não há pistas de onde possa estar Xerife. Mas, preocupadas com o paradeiro do cão, a funcionária pública Tatiana Azeredo Coutinho Ferreira, tutora de Olívia, e a protetora de animais que providenciaria a adoção do fujão percorrem ruas do Bairro Cidade Nova, onde ele foi visto pela última vez.

A saga de Xerife, que ganhou as redes sociais e mobiliza defensores da causa animal, chama a atenção para a situação de muitos outros cães que vivem nas ruas ou precisam de lares adotivos em Belo Horizonte. Estima-se que sejam cerca de 30 mil os que vagam pela cidade, constituindo também um desafio de saúde pública, já que, sem cuidados, esses animais podem se transformar em vetores de doenças. O desafio ainda está em vencer a resistência em relação aos vira-latas. Na tentativa de aumentar o número de adoções, a ONG Associação Cultural Teia de Textos organiza feiras todas as semanas. “Ainda há uma restrição ao animal sem raça definida. Além disso, o apelo emocional pelo filhote é grande, mas temos insistido nos adultos”, destaca o veterinário Leonardo Andrade Veloso. No caso dos animais mais velhos disponíveis para adoção, é certo que eles já passaram por exame de leishmaniose, foram castrados, vermifugados e vacinados e estão com microchip de identificação debaixo da pele. Além disso, dá para saber qual é a personalidade do cão e não há o risco de ele crescer mais que o esperado. Os animais que não são adotados vão para o albergue da ONG, com capacidade para 140 “abrigados”.

A equipe é bastante rigorosa para avaliar candidatos a adotar os animais. Eles precisam assinar um termo antes de levar o mais novo morador da casa. Depois, a ONG faz visitas esporádicas, para ver a situação em que vive o adotado. Em 70% dos casos eles estão bem; cerca de 20% apresentam algum tipo de problema, como vacinas que não estão em dia, ou vivem em local inadequado. “Apenas 5% dos casos são extremos e temos que recolher o animal, por causa de maus-tratos”, diz o veterinário. Em quatro anos, foram 1.650 adoções em BH.

Novos encontros em feira de adoção

Nesse fim de semana, em mais uma feira de adoção, a expectativa era alta para encontrar pessoas dispostas a acolher os animais sem tutor. Valentina foi um dos que ganharam um novo lar. Sem nenhum comando, a cadela de pelo preto estendeu a patinha para uma das candidatas à adoção. A estudante Bruna Ribeiro Guimarães, de 22 anos, não teve dúvida de que ela seria sua mais nova companheira. Afinal, queria achar uma fêmea, de porte médio. “Acho desnecessário comprar um cachorro. Existem tantos sem lar que não vejo sentido em pagar”, opina. Bem quieta no colo da tutora, Valentina nem parecia ser a mesma que não parava de tremer no canil. Agora ela tem carinho e atenção garantidos em uma casa bem espaçosa, em Esmeraldas, na Grande BH, ao lado da família do namorado de Bruna, o estudante Luis Henrique Macedo, de 22. “É muito triste saber que na rua ela corria muitos perigos, como ser atropelada, sofrer maus-tratos e passar fome”, ele comenta.

Sensibilizado com a situação dos cães de rua, o enfermeiro Augusto César da Silva, de 34, costuma visitar feiras de adoção para tentar conseguir, entre seus amigos, um lar para os animais. Na casa dos pais, em Paraopeba, já vivem quatro cachorros adotados. “Gosto muito de animal e fico sensibilizado ao ver um cão sofrendo na rua, sem lar. Meu sonho é ter um canil para cuidar deles.” Recentemente, Augusto arrecadou dinheiro para pagar o tratamento de um vira-latas, abandonado em Ribeirão das Neves, que estava com uma das patas dilacerada. Amanhã, quando tiver alta, o bicho, batizado de Valente, seguirá para a casa de uma colega de trabalho do enfermeiro.

Fonte: EM


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RECOMEÇO

BANALIZAÇÃO

CAZAQUISTÃO

DESMATAMENTO

BARBÁRIE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>