Polícia investiga mortandade de milhares de peixes no rio Grande


(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação/TV TEM)

A Polícia Ambiental de São José do Rio Preto (SP) investiga a morte de milhares de peixes do rio Grande, na divisa entre o estado de São Paulo e Minas Gerais. Pescadores relataram aos policiais que os peixes foram encontrados boiando em uma grande extensão do rio e a suspeita da polícia seria por causa do funcionamento da usina hidrelétrica.

Os peixes mortos foram encontrados pelos pescadores ao longo do rio Grande, nos municípios de Icém (SP) e Orindiúva (SP). “Semana passada eu vi uns 20 pintados mortos, piapara, curimba, mandi, etc. Acho que a morte deles foi causada por uma das turbinas. É triste de ver esses peixes mortos”, afirma o pescador Osvaldo Navas.

Assista o vídeo clicando aqui.

Nesta segunda-feira (6), os policiais voltaram para o rio e ainda encontraram peixes mortos, só que em uma quantidade bem menor. Ainda não se sabe a causa dessa mortandade, mas como muitos apresentaram lesões na cabeça e na cauda, a Polícia Ambiental acredita que eles estejam morrendo em decorrência do movimento das turbinas da usina hidrelétrica da região. No entanto, a usina de Maribondo disse que não foi identificado nenhum evento na operação que possa ter causado a mortandade de peixes, e que obedece as normas do Operador Nacional do Sistema.

A quantidade de peixes mortos chama a atenção e são de vários tamanhos e espécies. Alguns chegam a pesar 40 quilos. Pescadores fizeram vídeos dos peixes mortos e o material foi enviado à Polícia Ambiental que também recebeu denúncias de vários outros pescadores. Neste fim de semana os policiais fizeram uma varredura no rio e encontraram, em apenas dois dias, 300 quilos de peixes mortos.

Para a Polícia Ambiental, se ficar comprovada que a mortandade tenha sido provocado pelas turbinas, a usina pode ser responsabilizada. “Após a denúncia, fizemos um intenso policiamento para materializar estas mortes. Nos últimos dias foram 300 quilos de peixe mortos encontrados e mais de 100 espécies. A experiência tem nos mostrado que pode ter a ver com as turbinas sim, isso gera estresse, o choque do peixe contra a parede ou com o próprio movimento da usina e o peixe desce boiando. Isso estaria acontecendo esse ano por causa da baixa do nível de água, e isso interfere no funcionamento da turbina e isso pode ser feito os danos nos peixes”, afirma capitão da Polícia Ambiental Alessandro Daleck.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CHINA

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO

COMPAIXÃO

VIOLÊNCIA

PESQUISA

APELO

RECOMEÇO

BARBÁRIE

SEGUNDA CHANCE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>