Milhares de galgos ainda sofrem em pistas de corridas nos Estados Unidos


Por Amary Nicolau (da Redação)

Foto: Reprodução Internet
Foto: Reprodução Internet

Um total de 909 cães da raça greyhound (ou galgo inglês) morreram e mais de 11 mil sofreram ferimentos nas pistas de corrida entre 2008 a 2014, de acordo com uma nova pesquisa.

Nos últimos seis anos também foram documentados 27 casos de crueldade contra os animais envolvidos nas corridas, incluindo cães morrendo de fome e falta de cuidados adequados, afirma o estudo de 80 páginas, lançado pelas organizações Grey2K USA e ASPCA. Os grupos estão planejando enviar o relatório aos legisladores, para que proíbam as corridas de cães.

“As pessoas não percebem o quão traiçoeira a vida de um cão greyhound é: pernas, crânios e costas quebradas, dedos decepados, eletrocussão e parada cardíaca até mesmo por causa do estresse,” disse Nancy Perry, vice-presidente sênior de relações governamentais da ASPCA. “Queremos que as pessoas entendam que não se tratam de cães brincando em um parque, mas literalmente, correndo por suas vidas.”

O relatório pede urgência para que os governantes dos sete estados que ainda têm pistas de corridas (Flórida, Alabama, Arkansas, Texas, Virgínia, Iowa e Arizona) sigam o exemplo dos demais 39 estados que já proibiram a exploração de galgos.

Felizmente, as corridas de greyhound estão decaindo cada vez mais. O relatório aponta que, em 2012, os participantes apostaram 665 mil dólares em corridas – uma queda de 66% se comparado a 2001.

Ainda assim, um greyhound morre a cada três dias nas pistas de corridas da Flórida.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSERVAÇÃO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

MAUS-TRATOS

HABITATS DESTRUÍDOS

OMISSÃO

ECONOMIA CIRCULAR

DEDICAÇÃO

TECONOLOGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>