Defensores de animais pedem fim dos rodeios em Dourados (MS)


Defensora Rosalina iniciou campanha que pede o fim de eventos de rodeio. (Foto: Flávio Verão)
Defensora Rosalina iniciou campanha que pede o fim de eventos de rodeio. (Foto: Flávio Verão)

Defensores de animais iniciaram em Dourados uma campanha que pede o fim dos rodeio. Nas próximas semanas serão colhidas assinaturas para serem encaminhadas às autoridades. A utilização de bois e cavalos em arenas é considerada polêmica e divide opiniões principalmente quando se atribui a essa prática como modalidade esportiva.

A advogada e defensora Rosalina de Souza Santos lidera a equipe de defensores em Dourados. Ontem teve início a campanha na praça Antônio João e, de acordo com ela, assinaturas serão colhidas em diferentes espaços públicos do município.

Com o apoio da Agência de Notícias de Direitos Animais (Anda), a advogada conseguiu ontem centenas de assinaturas somente no período da manhã.

“Dourados já tem lei que proíbe maltratar os animais. Queremos o cumprimento desta e os governantes precisam se posicionar legalmente cumprindo o que determina a lei, face à inconstitucionalidade, ilegalidade dos rodeios, respeitando e dando tratamento digno aos animais, evitando serem expostos em arena dos horrores onde são cruelmente maltratados”, disse a advogada e defensora Rosalina.

Muitas cidades do país já proibiram a realização de rodeio. “Já avançamos no direito dos animais, mas precisamos lutar, caso contrário o sofrimento tende a aumentar e os animais precisam de nossa ajuda”, reiterou a defensora, que a partir do ano que vem fará palestra nas escolas sobre o assunto.

Pelo país afora muito é discutida a forma como os rodeios são conduzidos, desde a preparação dos animais para as competições até aos materiais utilizados durante as provas na arena, com uso de corda amarrada na parte genital do animal, região de estruturas nervosas e sem a presença óssea para proteger o animal da corda.

Defensores ainda criticam o uso de espora por parte dos peões e de choques elétricos na “preparação” de animais antes de entrar na arena. Quem realiza rodeio diz que essas práticas não são mais utilizadas, porém não há órgão fiscalizador para constatar o bem estar animal durante os eventos.

O caso mais recente e polêmico, que vem sendo investigado pelo Ministério Público ,ocorreu na cidade de Maringá (PR). Cinegrafista amador registrou imagens de animais que antes de entrarem na arena foram encurralados e cutucados com um aparelho que os deixaram agitados e fizeram os bois andarem e pularem.

Segundo defensores, o aparelho dava choque nos bois. O Brasil é signatário à Carta da Terra, escrita durante a Rio 92, um guia ético para um futuro sustentável a todos os seres.

Fonte: O Progresso


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TRATAMENTO MÉDICO

PROGRESSO

GANÂNCIA

DESTRUIÇÃO AMBIENTAL

COREIA DO SUL

VEGANISMO

PRESSÃO PÚBLICA

RESILIÊNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>