Apesar dos maus-tratos, passeio de charrete continua permitido em Paquetá (RJ)


Manutenção de passeio divide moradores: ideia é substituir cavalos por meios que não agridam o ambiente Foto:  João Laet / Agência O Dia
Manutenção de passeio divide moradores: ideia é substituir cavalos por meios que não agridam o ambiente
Foto: João Laet / Agência O Dia

O tradicional passeio de charrete da Ilha de Paquetá, que faz a alegria de crianças e casais de namorados e também é alvo recorrente de críticas de entidades protetoras dos animais, continuará sendo atração turística garantida no bairro. Uma decisão do desembargador Eduardo Gusmão Alves de Brito Neto, da 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ), rejeitou um pedido do Ministério Público do Estado (MPRJ), como adiantou terça-feira a coluna ‘Justiça e Cidadania’, de Adriana Cruz, para suspender a atividade por denúncias de maus-tratos contra os animais. O magistrado ponderou que não há provas de que todos os animais sejam maltratados na região.

“Determinar a interrupção da atividade poderia causar prejuízo financeiro a quem atua em conformidade com a legislação”, afirma Neto na decisão. Entre os moradores, o assunto é motivo de discussão e sem consenso formado. Há os que defendem a preservação de uma cultura, que atravessa séculos e se preocupam com a subsistência dos charreteiros, e aqueles que sugerem a substituição dos cavalos por alternativas que não agridam o meio ambiente.

“Como as bicicletas são uma tradição forte em Paquetá, o triciclo e o quadriciclo elétricos respondem bem às nossas necessidades e ainda preservam o lugar”, sugere a moradora Lucimar Medeiros, que participa de um grupo de defesa dos direitos dos animais e do meio ambiente. “Os cavalos não têm espaço para trotar nem para o descanso e ainda dividem o lugar onde dormem com urina e fezes. Não há razão de existir qualquer tradição que explora e maltrata os animais ”, acrescenta ela.

O promotor que conduziu a denúncia na primeira instância, Paulo José Andrade de Araújo Sally, lamentou a decisão e classificou o tratamento aos cavalos em Paquetá como situação de calamidade.

“Os animais são abrigados em lugar inadequado. O esgoto é despejado ao lado das baias, onde os cavalos dormem, um lugar altamente insalubre. O argumento para a manutenção da atividade, de que aquilo seria o meio de subsistência dos charreteiros, não os autoriza a desrespeitar os direitos animais”, pondera o desembargador.

O desembargador determinou que a Charretur, empresa responsável pelas charretes de Paquetá, apresente em até dez dias toda a documentação de controle dos animais, sob pena de multa diária de R$ 10 mil. A prefeitura deverá ainda enviar uma equipe à Paquetá para proceder à fiscalização e recolher os cavalos que estiverem em condição de maus-tratos.

Fonte: O Dia


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSERVAÇÃO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

MAUS-TRATOS

HABITATS DESTRUÍDOS

OMISSÃO

ECONOMIA CIRCULAR

DEDICAÇÃO

TECONOLOGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>