mortos e empilhados

Investigação do The Guardian revela horrores da indústria de frangos para consumo humano

(da Redação)

Foto: PETA
Foto: PETA

Uma investigação secreta de cinco meses feita pelo The Guardian foi publicada no final do mês passado, revelando alguns dos segredos mais obscuros da indústria de produção de frangos no Reino Unido. As informações são da ONG PETA (People for the Ethical Treatment of Animals).

A investigação centrou-se em instalações de processamento de carne que são fornecedoras de alguns dos maiores supermercados do Reino Unido, incluindo Tesco, M&S e Asda. Constatou-se que dois terços dos frangos vendidos no varejo no Reino Unido estavam contaminados com Campylobacter, uma causa potencialmente mortal de intoxicação alimentar. No Reino Unido, estima-se que cerca de 280 mil pessoas por ano adoecem de infecções causadas por Campylobacter (80% desses casos têm origem na ingestão de frangos).

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Algumas das imagens e vídeos obtidos a partir da investigação – que mostra montanhas de vísceras de animais empilhadas no chão da fábrica, cheias de sangue, correias transportadoras amontoadas de fezes revestidas de penas e máquinas imundas – certamente devem fazer com que muitas pessoas deixem de comer carne.

Mas as conclusões do inquérito não foram apenas perturbadoras do ponto de vista da higiene. Elas também fornecem uma visão assustadora de como as aves são tratadas e mortas antes de acabarem despedaçadas em um chão sujo de fábrica. Segue abaixo alguns dos fatos perturbadores.

Na fazenda

Nas fazendas industriais de grande escala, são criados cerca de 40 mil frangos por vez no que se chama de “culturas”.

As aves geralmente atingem o peso de “abate” (cerca de 1,8 kg) em apenas 42 dias.

As fazendas abarrotam tantos animais quanto possível em grandes galpões, com pouca iluminação. O The Guardian escreve:

“Para maximizar o retorno sobre o capital investido no espaço, é comum a prática de superlotar galpões com filhotes no início do ciclo e, em seguida, enviar equipes de coletores para tirar algumas aves para que o resto das galinhas tenham apenas o espaço suficiente para atender às regulamentações sobre densidades de estocagem, na medida em que crescem até o peso de abate”.

De acordo com a reportagem, esta prática de retirar parte das aves leva à disseminação da bactéria, pois os animais assustados entram em pânico e defecam sempre que os funcionários entram nos galpões lotados.

A jornada para a morte

As galinhas são embaladas em caixas que são empilhadas umas sobre as outras em caminhões, e levadas para o matadouro. As fezes caem através das aberturas das caixas, em cima dos pássaros que estão na parte inferior.

O transporte é muito traumatizante para os animais e pode durar horas. Às vezes eles são até mesmo deixados nas caixas durante noites inteiras.

No Matadouro

Nas “linhas de produção” dos matadouros, os pássaros são presos e pendurados de cabeça para baixo por seus pés em uma esteira rolante que os transporta para a morte e desmembramento.

Depois de terem sido mortos, pinças mecânicas retiram as suas penas e punhos de metal automatizados retiram as suas entranhas, antes de suas partes do corpo serem embaladas para o supermercado.

Grandes matadouros normalmente executam entre 185 e 195 aves por minuto – matando cerca de 12 mil animais por hora. Em toda a Grã-Bretanha, 17 milhões de frangos são “abatidos” a cada semana.

Galinhas são animais sensíveis com personalidades únicas. Como os humanos, elas sofrem, necessitam tomar sol, vivem em sociedades complexas e fazem sacrifícios para proteger seus filhos – ou seja, quando têm a chance. Em explorações intensivas, elas nunca têm a oportunidade de expressar qualquer um  destes comportamentos naturais. Tudo o que conhecem é sofrimento e terror.

Por favor, faça a sua parte para acabar com o sofrimento destes animais abusados, deixando definitivamente de comer frango e consumir ovos. Assim, você também pode evitar um sórdido caso de intoxicação alimentar, ao mesmo tempo.

6 COMENTÁRIOS

  1. Mais do mesmo, infelizmente. E não me acostumo com o número de abates/hora, principalmente no caso de aves. Se o The Guardian fez isso na Inglaterra, bem que jornais de grande circulação por aqui podiam fazer o mesmo. Sem sensacionalismo. Basta expor os fatos. Nada além dos fatos.

  2. Quanta desconhecimento nessa reportagem, meu Deus!
    Apenas para lembrar: a evolução da raça humana foi conquistada com a melhoria da saúde animal e segurança alimentar e a avicultura mundial possui importância histórica e fundamental.
    Segurança alimentar é o pilar mor da produção animal no mundo e a União Européia tem uma das legislações mais exigentes nesse campo.
    Os profissionais da área serão capazes de mostrar a verdadeira face do assunto produção animal e saúde pública !!!
    Concluir a matéria induzindo os consumidores ao pensamento (e a CERTEZA) de que toda proteína de origem animal está contaminada e condenada a gerar prejuízos a saúde humana é simplesmente mostrar o completo desconhecimento sobre o assunto.

    • Não se trata de segurança alimentar. Trata-se de que, para muita gente, o hábito de comer carne ficou para trás, devendo ser uma página virada na história da evolução humana.

      • Muito bem Igor, é isso mesmo, mas a maioria da sociedade em todo o planeta ignora e coopera com essa indústria da morte, covardia, crueldade,degradação e muita violência….
        Com tanto conhecimento e os seres humanos ainda não desenvolveu o respeito a vida ,.
        Falta educação humanitária e ambiental. Essa humanidade tem que despertar pra compaixão e ética
        .Todos nós humanos e não humanos , somos seres sencientes da natureza….
        Peço justiça, justiça divina!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui