ONG Animal cancela protestos contra touradas em Viana


“Confirmadíssimo. Não há tourada em Viana do Castelo. Assim, a ação da Animal fica sem efeito”, lê-se na página do facebook da associação de defesa dos animais.

A Animal, que elaborou a moção aprovada em 2009 pela Câmara de Viana do Castelo que proibiu a realização de touradas no concelho, tinha anunciado para domingo (24) uma ação de sensibilização seguida de uma vigília contra aquela que seria a terceira corrida de touros desde que Viana do Castelo foi declarada cidade antitouradas.

O movimento “Vianenses pela Liberdade” anunciou, no sábado, o adiamento do espetáculo tauromáquico para 07 de setembro alegando “problemas administrativos criados pela Câmara de Viana do Castelo”.

A autarquia rejeitou, na sexta-feira, “liminarmente” o pedido de licenciamento para a instalação de uma praça amovível alegando “incumprimento formal do processo”.

Fonte autárquica explicou à Lusa que os organizadores “não apresentaram cópia da APÓLICE DE SEGURO de acidentes pessoais”, um elemento “fundamental, exigido por lei”, para o licenciamento deste tipo de espetáculos.

Em causa está a montagem de praça amovível, num terreno privado situado junto à antiga empresa de pescas de Viana, conhecida localmente como Seca do Bacalhau, em Darque, o mesmo local onde decorreu a tourada do ano passado, com a presença, segundo a organização, de mais de 2.550 espetadores.

O movimento de aficionados, criado em 2009 na sequência da aprovação, pelo município, da declaração antitouradas, acusou o autarca socialista José Maria Costa de “continuar a agir de má-fé, a cometer ilegalidades e a atacar os direitos e liberdades dos cidadãos de Viana do Castelo, envergonhado a cidade”.

Apesar do adiamento, um grupo local de ativistas que reclama o fim deste espetáculos na cidade decidiu manter as ações anunciadas para as 16:00, próximo do local onde deveria realizar-se a corrida de touros.

“Em vez de ser uma ação para demonstrar desagrado por, mais uma, vez a cidade ser ofendida pela presença de apreciadores de tortura animal, vamos demonstrar a nossa alegria por ter sido evitada a ofensa a Viana do Castelo”, afirmou à Lusa Ana Macedo, porta-voz do movimento cívico.

Ana Macedo assegurou que o grupo de ativistas “está pronto” para nova manifestação, a 07 de setembro, “caso a ideia de fazer uma tourada prossiga”.

A ativista apelou ainda à autarquia para avançar com um pedido, junto da Assembleia da República, para que seja atribuído à cidade um REGIME de exceção, tal como acontece com o município de Barrancos onde são permitidos os touros de morte.

“Viana tem que pedir a exceção tal como Barrancos a pediu. Se Barrancos tem direito porque não temos nós”, questionou a ativista.

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.

Fonte: Notícias ao Minuto


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CRUELDADE

TECNOLOGIA

DESUMANIDADE

ACOLHIMENTO

EFICIÊNCIA

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO

SOFRIMENTO EMOCIONAL

DOÇURA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>