Enfermeira peruana cuida de 175 gatos doentes em sua casa em Lima


A enfermeira peruana Maria Torero ao lado de seus gatos em sua casa em Lima (Foto: Martin Mejia/AP)
A enfermeira peruana Maria Torero ao lado de seus gatos em sua casa em Lima (Foto: Martin Mejia/AP)

Uma enfermeira peruana transformou sua casa em um hospital para gatos com leucemia felina em Lima, no Peru. Maria Torero abriga atualmente 175 animais doentes, que se espalham por um apartamento de oito cômodos e dois andares, ocupado por dezenas de pratos de alimentação e caixas de areia para que os animais façam suas necessidades.

Algumas pessoas já sugeriram que Maria abrigasse gatos saudáveis, mas ela diz que esse não é seu papel. “Sou uma enfermeira. Meu dever é com os gatos com os quais ninguém se preocupa”, afirmou à Associated Press.

Há cinco anos, Torero cuida dos animais enquanto eles sucumbem lentamente à doença, que é causada por um vírus não contagioso para humanos ou outras espécies. Ela é transmitida normalmente por contato direto e compartilhamento de caixas de areia, pratos de comida e de água.

Gatos dormem em suas camas na casa da enfermeira Maria Torero em Lima, no Peru (Foto: Martin Mejia/AP)
Gatos dormem em suas camas na casa da enfermeira Maria Torero em Lima, no Peru (Foto: Martin Mejia/AP)

Maria pega os gatos nas ruas e mercados de Lima e os testa para a doença. Quase todos os gatos de rua têm a leucemia felina, além de outros problemas, como pulgas, parasitas e má nutrição. Ela leva para casa apenas gatos adultos, evitando que a doença seja espalhada para as novas gerações.

“Trazer um filhote seria como condená-lo à morte”, afirmou a enfermeira.

Todos os animais ganham um nome e muitos são vestidos com pequenas camisetas. “Cada um tem uma personalidade distinta”, diz Maria.

A enfermeira Maria Torero aplica medicamento em um de seus gatos; seus braços tem marcas de arranhões dos felinos (Foto: Martin Mejia/AP)
A enfermeira Maria Torero aplica medicamento em um de seus gatos; seus braços tem marcas de arranhões dos felinos (Foto: Martin Mejia/AP)

A enfermeira faz a dosagem das medicações, esteriliza os animais e os trata contra parasitas a cada dois meses. Seus braços estão marcados com arranhões feitos pelos felinos que resistem às injeções.

Maria estima gastar cerca de US$ 1.785 por mês com os gatos. Metade do dinheiro vem de doações – a outra metade ela banca com seu salário de enfermeira.

A peruana tem três filhos, de 16, 14 e 6 anos. Eles vivem no apartamento e estão acostumados com os animais. Segundo ela, os vizinhos nunca reclamaram do cheiro provocado pela grande quantidade de gatos.

Gato é visto em meio a medicamentos na casa da enfermeira peruana Maria Torero (Foto: Martin Mejia/AP)
Gato é visto em meio a medicamentos na casa da enfermeira peruana Maria Torero (Foto: Martin Mejia/AP)
Fabian, filho da enfermeira Maria Torero, dorme em meio aos gatos adotados pela mãe (Foto: Martin Mejia/AP)
Fabian, filho da enfermeira Maria Torero, dorme em meio aos gatos adotados pela mãe (Foto: Martin Mejia/AP)

Fonte: G1

 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

INSPIRAÇÃO

DENÚNCIA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

RETROCESSO

RESPONSABILIDADE

SOLIDARIEDADE

MISSÃO

ACADEMIA ESPECISTA

SADISMO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>