Saiba o que pode explicar caso do cão que desmaiou ao rever tutora


Ao reencontrar sua tutora após dois anos de separação, um cachorro da raça Schnauzer chegou a desmaiar de emoção e se transformou em fenômeno da internet. Até a noite de domingo, o vídeo do reencontro já somava mais de 14 milhões de visualizações no YouTube. Mas, além de comover os espectadores, a cena desperta dúvidas: é comum um cão desmaiar de emoção? Dois anos não é muito tempo para um animal lembrar de alguém?

Animal ficou bastante agitado ao reencontrar sua dona, que estava fora de casa havia dois anos. (Foto: Youtube / Reprodução)
Animal ficou bastante agitado ao reencontrar sua dona, que estava fora de casa havia dois anos. (Foto: Youtube / Reprodução)

Especialistas consultados afirmam que é incomum um cachorro desmaiar de emoção, e isso costuma ser sintoma de um problema de saúde — ainda que a tutora do animal tenha garantido que ele foi a um veterinário e nada foi detectado. De maneira geral, ao se excitar, o animal aumenta a frequência dos batimentos cardíacos, da respiração e sofre uma descarga de substâncias como adrenalina. Isso, normalmente, não leva a um desmaio.

“Crio Schnauzers há 50 anos e nunca vi um desmaiar daquele jeito. Mas posso garantir que são muito inteligentes e apegados aos tutores. São capazes de morrer para defendê-los” afirma a criadora de cães Schnauzer Irene Degenhardt, 68 anos, de São Paulo.

A veterinária especialista em comportamento de cães e gatos Ceres Faraco sustenta que o desmaio pode estar relacionado a uma série de possíveis problemas, como desordens circulatórias, neurológicas, hipoglicemia, entre vários outros de difícil diagnóstico. Mas ela não descarta que, pelo estresse muito elevado, o choque emocional tenha reduzido o fornecimento de oxigênio para o cérebro e provocado o raro desmaio.

“Pode ter acontecido algo semelhante ao que ocorre com uma pessoa que sofre uma emoção muito forte e desmaia. É mais uma evidência de como características emocionais estão presentes nos animais e devemos reconhecer e respeitar isso”, avalia Ceres.

Especialista em comportamento animal, o veterinário Mauro Lantzman afirma que é muito comum um animal doméstico lembrar de pessoas de quem gosta após vários anos de ausência, independentemente da raça. No caso do vídeo, a tutora Rebecca Ehalt ficou dois anos longe dos Estados Unidos, onde reside o cão, para morar na Eslovênia.

Lantzman chama a atenção para a cor avermelhada das patas do cãozinho. Segundo ele, isso costuma refletir um comportamento compulsivo de se lamber (a saliva altera a coloração). Essa característica pode indicar algum estresse provocado por fatores como períodos em que se fica sem companhia, por exemplo. Isso também poderia amplificar a emoção do animal ao reencontrar um rosto querido.

Fonte: Diário Catarinense


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SAÚDE

GOIÁS

NOVA JORNADA

HONG KONG

AFETO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>