Prefeitura de Barbosa Ferraz (PR) se compromete a castrar e pôr microchips em cães abandonados


Quase 2,5 mil cães vivem nas ruas de Barbosa Ferraz (na Região Centro-Oriental do Paraná, a 105 quilômetros), município com população de pouco mais 12 mil moradores. Preocupada com a situação dos animais, a Promotoria de Justiça da comarca firmou Termo de Ajustamento Conduta (TAC) com a prefeitura e com a Secretaria Municipal de Saúde. Segundo o documento, que foi assinado na quarta-feira (23), o Município se compromete a adotar uma série de medidas para controlar a população canina.

Entre ações que devem ser executadas pela prefeitura está a castração dos cães cujos tutores não forem identificados – mínimo de 20 por mês (10 fêmeas e 10 machos), pelos próximos dois anos. Os animais submetidos à castração devem ser prioritariamente encaminhados à adoção, enquanto não for providenciado e instalado um canil municipal.

Para que seja realizada a castração, os animais devem ser retirados das ruas, mediante a adoção de técnicas que não causem sofrimento, e encaminhados para procedimento cirúrgico em clínica veterinária particular, em ambiente higienizado e previamente vistoriado pela Vigilância Sanitária Municipal. Tudo isso deve ocorrer sem ônus financeiro e funcional para a prefeitura, que deverá buscar cooperação voluntária com particulares interessados.

Microchipagem – O TAC prevê também que os cães devem ser microchipados, para posterior verificação do município, que ficará responsável por realizar treinamento dos funcionários do serviço municipal de controle de zoonoses, com acompanhamento de entidade protetora, para que exerçam suas funções evitando maus-tratos e priorizando o bem-estar animal.

Mensalmente, a prefeitura se comprometeu, também, a entregar um relatório com todas as ações realizadas. O documento deverá ser encaminhado à Promotoria de Justiça de Barbosa Ferraz, para o necessário acompanhamento do cumprimento do acordo.

Conscientização – Ao assinar o termo, a Prefeitura se comprometeu, ainda, com a realização de campanhas periódicas (ao menos uma vez por ano) sobre posse responsável de animais, necessidade de vacinação e controle de zoonoses, através de castração, incentivando a adoção de cães e gatos abandonados.

Além disso, em 180 dias, o Município deve elaborar Projeto de Lei e encaminhar ao Legislativo Municipal, prevendo ações de proteção, esterilização, vacinação e identificação de animais domésticos, além de infrações e sanções administrativas aplicáveis em caso descumprimento dessas normas. O texto deve incluir, ainda, ações educativas do Poder Público para coibir maus-tratos e abandono de animais domésticos por seus proprietários, complementando ou aprimorando a legislação municipal vigente.

O Termo de Ajustamento prevê, ainda, outras medidas que, se descumpridas, podem incidir em multa diária (por cláusula ou item de cláusula) de R$ 1 mil, valor a ser destinado ao Fundo Municipal de Saúde.

Fonte: odiario.com

 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PUNIÇÃO

MAUS-TRATOS

SEGUNDA CHANCE

CENSURA

DESPERTAR

PROTEÇÃO

HOLOCAUSTO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>