perversidade

Mulher que torturava e matava animais para produzir vídeos é condenada a 10 anos de prisão

(da Redação)

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Ashley Nicole Richards foi condenada a dez anos de prisão por ter torturado e assassinado vários animais para a produção de filmes conhecidos como “crush videos”. Inicialmente, o Juiz Sim Lake havia descartado muitas das acusações contra ela, citando absurdamente o direito da mesma à “liberdade de expressão”, mas felizmente Richards não teve tanta sorte na contestação da acusação. As informações são do site Life With Dogs.

Conforme publicado pela ANDA em matéria citando o caso, os “crush videos” mostram animais sendo mortos, torturados ou esmagados para satisfazer fetichismos sexuais bizarros de pessoas que os encomendam.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

De acordo com Devon Anderson, promotor público do condado de Harris, Richards fez 27 vídeos entre fevereiro de 2010 e agosto de 2012, nos quais ela torturava cachorros, gatos, peixes, lagostas, caranguejos, ratos e um coelho. Ela brutalmente usou um cutelo de carne, facas, chaves de fenda, alicates e estiletes, muitas vezes matando até dois animais por dia.

A ONG PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) foi alertada sobre as atividades da mulher e, 48 horas depois, ela foi localizada pela polícia em sua residência em Houston. Ela e seu namorado Brent Justice, que supostamente gravava os vídeos, foram presos sob a acusação de crueldade animal e conduta obscena.

O Juiz responsável pelo caso rejeitou as acusações contra a dupla, alegando que “embora os atos exibidos nos vídeos sejam preocupantes e horríveis, eles são considerados liberdade de expressão”.

Segundo a reportagem, apesar da Lei Federal Animal Crush Video Prohibition, de 2010, proibir “qualquer fotografia, filme, vídeo, gravação digital ou imagem eletrônica que: (1) retrate conduta real em que um ou mais mamíferos não-humanos, aves, répteis ou anfíbios é intencionalmente esmagado, queimado, afogado, sufocado, empalado, ou de outra forma submetido a lesão corporal grave; e (2) seja obsceno”, o Juiz Lake considerou o estatuto “demasiadamente amplo” em sua natureza, tornando-o inconstitucional.

Quatro meses depois, o Ministério Público apresentou um recurso de apelação.

“Tal como acontece com a pornografia infantil, é necessário acabar com o mercado de ‘crush videos’, que tem pouco ou nenhum valor social, a fim de prevenir eficazmente os atos criminosos que necessariamente ocorrem quando os vídeos são produzidos”, afirmaram os promotores.

Desta vez, Richards foi considerada culpada e condenada a 10 anos de prisão.  Brent Justice também foi acusado de crueldade contra os animais e está sendo multado em 50 mil dólares.

“Estamos satisfeitos que a ré tenha recebido a pena máxima e vamos lutar na próxima sessão legislativa para aumentar o alcance da punição para este crime, de modo a proteger melhor os animais e todos os cidadãos do Condado de Harris”, disse Anderson.

 

17 COMENTÁRIOS

  1. Quando eu penso que já ví o pior que a mente humana pode produzir me surpreendo com esse tipo de notícia. Existem sim “humanos monstros”. São elementos desprovidos de sentimentos. Parecem cria do inferno.

  2. Não sei se comemoro a punição de 10 anos – porque, se fosse aqui no Brasil, não aconteceria nada – ou se lamento o fato desses monstros não terem sido condenados à prisão perpétua. Mas, seja como for, em algum lugar do mundo a Justiça ainda é feita, e organizações como a PETA ainda conseguem se mostrar eficientes! Sinceramente, bem que podiam trancar esses facínoras e jogar a chave fora – para sempre!

  3. Peço aos amigos que aqui postam suas mensagens, o favor de não atribuírem a “Deus” a criação desses e de outros tantos monstros que se julgam seres humanos. também gostaria de esclarecer aos indignados colegas, que o homem não foi criado a imagem e a semelhança de Deus, isso é conto da carochinha. Jamais, enfatizo, jamais Deus criaria uma aberração dessas! E tenho dito.

  4. Se fosse no Brasil pegava só 2 anos e como essa pena pode ser convertida em “trabalhos comunitários”, não ficaria presa nenhum dia.
    Está faltando os legisladores do Brasil tomarem vergonha na cara e acabar com esse mau exemplo de maus tratos aos animais que ocorre no Brasil e aumentem MUITO as penas para os perversos torturadores de animais daqui.

  5. É um absurdo considerar a tortura – qualquer tipo de tortura, seja com humanos ou animais de qualquer espécie como “liberdade de expressão”! Isso é uma forma de sociopatia que deve ser combatida. Crianças que têm contato com esses vídeos e podem ter sua formação distorcida. A maioria dos psicopatas e assassinos seriais maltratavam animais quando eram criança.

  6. O vídeo desta semana está tão comovente que não consigo deixar de emocionar só de lembrar.
    Que pessoas boas aquelas que proporcionaram amor, atenção e carinho nos últimos dias de vida de um cachorro que passou a vida no abandono.
    Nunca vi coisa tão emocionante. Falando sério, não consigo deixar de chorar só de lembrar.

  7. Esta pena foi muito leve, deveria apodrecer na cadeia! Pra quem acha um crime menor, por ser contra um animal, deveria saber que daqui a pouco esta psicopata fará isto em humanos também, sem a menor hesitação!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui