Cadela com câncer que seria morta por tutor passa por quimioterapia


Integrante da ONG Força Animal Tatiele Medeiros com a pitbull Coly (Foto: Cassio Albuquerque/G1)
Integrante da ONG Força Animal Tatiele Medeiros com a pitbull Coly (Foto: Cassio Albuquerque/G1)

A pit bull “Coly”, de 2 anos, passa por sessões de quimioterapia para curar um câncer adquirido há cerca de dois meses. A cadela vivia em uma casa no Centro de Macapá e seria morta pelo então tutor, que dizia não ter condições financeiras para pagar o tratamento da doença. O animal foi resgatado pela ONG Força Animal, entidade que cuida de cães e gatos abandonados e doentes na capital, que se responsabilizou em pagar as seis sessões de quimioterapia, que custaram R$ 900.

A integrante da ONG Tatiele Medeiros disse que o caso de “Coly” foi descoberto após uma denúncia que a entidade recebeu de vizinhos que moram próximos a casa onde a cadela vivia. “Quando nos ligaram disseram que ela [Coly] tinha sido atropelada. Quando chegamos ao local percebemos que ela apresentava sinais de maus-tratos e possuía uma espécie de tumor na área genital, que sangrava muito”, contou.

Após a visita, Tatiele disse que o tutor de “Coly”, que teve a identidade preservada pela ONG, enterraria a cadela viva ou a mataria, pois os familiares não queriam o animal andando pela casa, por conta dos sangramentos. “Ele me disse que queria continuar criando ela, mas não tinha dinheiro para cuidar do problema e que estava se sentindo pressionado pelos parentes, que queriam que ele a abandonasse na rua”, disse.

No mesmo dia em que foi apurada a denúncia, a cadela foi encaminhada a uma clínica veterinária. O diagnóstico de câncer foi dado após uma consulta preliminar. “Ela contraiu uma infecção que se enquadra no mesmo nível do papiloma vírus, durante o cruzamento com outros cães, o que causou o aparecimento de um tumor venéreo na área reprodutora. Se não fosse tratada a tempo, a doença causaria várias complicações no organismo até o animal chegar a óbito”, explicou o veterinário Jorge Brito.

Coly passará por seis sessões de quimioterapia para curar doença (Foto: Cassio Albuquerque/G1)
Coly passará por seis sessões de quimioterapia para curar doença (Foto: Cassio Albuquerque/G1)

Para levantar fundos para o tratamento de “Coly”, a ONG realizou várias ações no Facebook, através de um grupo que promove adoções de animais. O dinheiro para o tratamento foi obtido através de bazares, bingos e rifas.

Atualmente, a cadela passa pela terceira sessão de quimioterapia e deverá passar por outras três para receber alta. Apesar da progressão, faltava um último desafio a ser vencido por “Coly”: ter um novo lar.

A escolha do novo tutor foi feita pelos próprios integrantes da ONG. Segundo Tatiele, cinco pessoas se candidataram para a adoção. “Ela é um animal grande, e precisa de um local que tenha espaço e uma pessoa com tempo para cuidar dela e dar amor, que é o principal”, disse a integrante da entidade. No dia 10 de junho, “Coly” encontrou um novo dono e foi transferida da antiga casa.

Tatiele se comprometeu a acompanhar o restante do tratamento veterinário, apesar de “Coly” ter conseguido uma nova casa. “Acompanhei toda a trajetória dela e seria injusto eu abandoná-la agora. Não me arrependo do que fiz, pois sei que o antigo tutor a amava, mas ele sabe que tudo que foi feito ajudou a salvar a vida dela”, concluiu

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DESMATAMENTO

BARBÁRIE

PRESSÃO INTERNACIONAL

INVOLUÇÃO

UNIÃO

PREVENÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>