Projeto faz de universidade referência na cura de animais silvestres


A Unidade de Medicina Veterinária, da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Realeza é, atualmente, um dos únicos centros de referência no atendimento a animais silvestres na região Sudoeste do Paraná, de acordo com o 3º Pelotão da Polícia Militar Ambiental, de Francisco Beltrão.

 

Filhotes de coruja-da-igreja em abrigo provisório da Unidade de Medicina Veterinária. (Foto: Divulgação)
Filhotes de coruja-da-igreja em abrigo provisório da Unidade de Medicina Veterinária. (Foto: Divulgação)

Isso é possível a partir do Projeto de Extensão Serviço de Atendimento a Animais Silvestres. O sargento-comandante do 3º Pelotão da Polícia Militar Ambiental, Charles Luis Civa, explica que antes da existência do projeto, os atendimentos a animais silvestres eram feitos por médicos veterinários voluntários. “Hoje é crucial o projeto da UFFS, pois é o único centro de tratamento habilitado na nossa região. O pessoal da Unidade de Medicina Veterinária tem uma agilidade significativa, sempre estão dispostos a nos atender”, destacou.

O projeto tem como objetivo garantir atendimento médico-veterinário aos animais da fauna silvestre da Região de abrangência do Campus. Além disso, são desenvolvidos estudos a respeito da fauna e flora local, promoção do aprendizado acadêmico na área, entre outros. Os atendimentos são gratuitos.

Muitos dos animais encaminhados pela Polícia Militar Ambiental ao projeto são aves. “Alguns desses eram filhotes que caíram dos ninhos, foram abandonados ou até mesmo atropelados. Também já levamos dois veados-mão-curta. um deles foi encontrado num terreno baldio de Realeza, e o outro, um filhote encontrado abandonado na região de Renascença. Encontramos animais em diversas circunstâncias, mas podemos dizer que um terço deles são vítimas de atropelamentos”, explica Civa.

O Projeto de Extensão “Serviço de Atendimento a Animais Silvestres” é coordenado pela professora Patricia Romagnolli, com a colaboração do professor Gentil Ferreira Gonçalves, do técnico-administrativo em educação, médico veterinário Leonardo Gruchouskei, e dos acadêmicos Ronaldo José Piccoli (bolsista), Carla Sordi Furlanetto (voluntária), Thiago Fronchetti (bolsista), Rayane Ribeiro (voluntária), Everton Bruno Vissoto (voluntário), Rafael Moscon (voluntário) e Juliana Geraldi (voluntária). Também há o apoio de outros médicos veterinários especializados na fauna silvestre, Polícia Ambiental e Prefeitura Municipal de Realeza.

Caso alguém encontrar um animal silvestre abandonado, ferido ou que seja vítima de maus-tratos, deve entrar em contato com a Polícia Militar Ambiental de Francisco Beltrão, pelo telefone (46) 3527-1093 ou para Foz do Iguaçu (45) 3529-9045. “É importante ressaltar que atendemos prioritariamente animais silvestres que estejam feridos ou mesmo deslocados do seu habitat.

Atendimentos realizados

Desde o mês de maio até hoje, foram atendidos 25 animais pelo projeto. Desse número, 17 são aves, como o gavião-carijó, a coruja-da-igreja e o urutau – esse último uma ave difícil de ser encontrada, já que permanece disfarçada, sendo facilmente confundida com um galho de árvore.

Entre as outras espécies atendidas, estão dois veados-mão-curta, mamíferos encontrados em serras do interior de Santa Catarina e Paraná, contanto que sejam cobertas de densa vegetação. De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, o veado-mão-curta é considerado um animal vulnerável, em razão da perda e da fragmentação do habitat, além da caça.

Confira as espécies da Fauna Silvestre atendidas pelo Projeto em 2013:
Azulão (Cyanoloxia brissonii)
Bem-te-vi (Pitangus sulphuratus)
Bicudo (Sporophila maximiliani)
Calopsita (Nymphicus ollandicus)
Chupim (Molothrus bonariensis)
Cobra Coral (Micrurus corallinus)
Cobra Coral Falsa (Erythrolamprus aesculapii)
Cobra Dormideira (Sipynomorphus mikanii)
Coruja-da-Igreja (Tyto alba)
Curió (Sporophila angolensis)
Gavião-carijó (Rupornis
magnirostris)
Jabuti Piranga (Geochelone
carbonária)
Macaco-prego (Cebus sp.)
Pomba-amargosa (Patagioenas plúmbea)
Quati (Nasua nasua)
Sabiá-peito-roxo (Turdus
rufiventris)
Tesourinha (Tyrannus savana )
Trinca-ferro (Saltator sp.)
Veado-mão-curta (Manzana nana)
Urutau (Nyctibius griséus)

Com informações do Jornal Novo Tempo


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PUNIÇÃO

MAUS-TRATOS

SEGUNDA CHANCE

CENSURA

DESPERTAR

PROTEÇÃO

HOLOCAUSTO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>