Na Câmara, oposição discute morosidade nas ações da Secretaria de Defesa Animal


A sessão da Câmara dos Vereadores do Recife nesta segunda-feira (25) foi marcada pela polêmica em torno da aprovação da lei que proíbe a circulação de veículos com tração animal nas ruas do Recife. A convite da vereadora Aline Mariano (PSDB), líder da Comissão de Direitos Humanos, centenas de carroceiros foram à Casa José Mariano acompanhar a apresentação do relatório elaborado pela tucana sobre proteção animal. Mas foram proibidos de entrar na sede do legislativo municipal, porque o acordo era que eles fossem sem as carroças, o que não foi cumprido.

Em discurso, a tucana criticou a Secretaria-executiva de Defesa Animal (Seda) e mencionou a demora para criação de projetos assumidos na campanha, como a criação de um Samu Animal e de um hospital veterinário público. “Apesar de tal compromisso firmado publicamente, não temos sequer informações sobre o local onde tal obra será feita ou sobre a realização de licitação para a compra de terreno e construção do espaço”, questionou a oposicionista.

(Foto: Michele Souza/JC Imagem)
(Foto: Michele Souza/JC Imagem)

A tucana também questionou o projeto da unidade de saúde, que atenderá apenas cães e gatos. “O que vai acontecer com os outros animais? Continuam sem direito ao atendimento hospitalar adequado”, provocou. A quantidade de castrações, por ano, também foi levada à tribuna. Segundo Aline, a meta era castrar mil animais, mas, até este mês, apenas 200 animais realizaram a cirurgia.

“Sem uma central de denúncias e sem eficiência administrativa, a secretaria segue pautada pela mídia e por casos de grande repercussão, como no caso dos cães de guarda resgatados em janeiro deste ano”, alfinetou a oposicionista.

Sobre a lei, a líder da oposição afirmou que não é contrária à iniciativa, mas o questionamento é em torno da forma como a norma será executada. “É preciso garantir uma contrapartida viável aos carroceiros e ter um local apropriado para receber os animais apreendidos”, explicou.

O texto aprovado prevê o pagamento de R$ 1.500, dividido em três vezes, aos carroceiros. “Não entendo a pressa do secretário (Rodrigo Vidal) em aprovar a lei antes de fazer um levantamento preciso da quantidade de animais de tração que vivem hoje pela cidade.”

Como alternativa ao trabalho dos carroceiros, a tucana citou uma experiência bem-sucedida implantada na cidade de Salvador. Na capital baiana, existe um veículo motorizado, chamado cavalo de lata, que pode carregar até 500 quilos e atingir 25 quilômetros por hora e substitui o uso do animal.

Fonte: Ne 10


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DEMANDA CRESCENTE

CRISE CLIMÁTICA

CRUELDADE

ALERTA

LIBERDADE

PROTEÇÃO ANIMAL

COVARDIA

RETROCESSO

UMA ESPIRAL VIRAL

TRÁFICO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>