Tamanduá é resgatado em residência no Espírito Santo


(Foto: Assessoria de Comunicação/PMES)
(Foto: Assessoria de Comunicação/PMES)

Um tamanduá-mirim ou tamanduá-de-colete (Tamanduá tetradactyla) entrou em uma residência no bairro Silvana, área urbana do município de Bom Jesus do Norte e foi recolhido por policiais do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), na manhã desta quinta-feira (14).

Segundo o solicitante, um homem de 47 anos, durante a manhã os cachorros de sua residência estavam latindo muito, e ao sair de casa viu no telhado o mamífero não sabendo como o animal foi parar naquele local.

Imediatamente fez contato com a Polícia Militar de Bom Jesus do Norte, que acionou a equipe de plantão da Polícia Ambiental de Guaçuí para que fosse feito o recolhimento. Ao chegar à residência, o animal estava em cima de um muro, e foi contido pelos policiais que utilizaram as técnicas de contenção e manejo de animais silvestres.

O tamanduá pesava em torno de cinco quilos e era uma fêmea, sendo levada para a sede da Polícia Militar Ambiental em Guaçuí e após avaliação, estando em boas condições de saúde, foi solto horas após na mata do Parque Municipal Padre Ênio Fazolo dos Reis no município de Guaçuí, onde terá contato com outros de sua espécie.

O tamanduá recolhido não está ameaçado de extinção, contudo, em função principalmente do desmatamento no Espírito Santo, a sua população vem diminuindo a cada ano.

Orientações

De acordo com a Polícia Militar Ambiental o recolhimento de animais silvestres é um dos serviços oferecidos pela Unidade. A missão do BPMA é fiscalizar o meio ambiente, atuando na prevenção e repressão aos crimes ambientais, em ocorrências envolvendo animais silvestres que apresente algum risco para a integridade física do morador, ou for uma espécie ameaçada de extinção, o recolhimento passa a ser uma ocorrência prioritária.

Quem se deparar com algum animal silvestre em área urbana a orientação é não tentar capturá-lo e manter uma distância que não o faça se sentir acuado. Animais que estão acomodados em árvores urbanas durante algum tempo, como gambás e corujas, vão retornar ao seu local de origem assim que deixarem de se sentir ameaçados, principalmente à noite, porque na grande maioria eles têm hábitos noturnos.

A Polícia Ambiental orientou ainda que casos de aparecimento em áreas urbanas como o de cobras peçonhentas, onças ou jaguatiricas, por exemplo, requerem mais atenção, já que o risco de ataque pode ser maior. Nesses casos, é importante que a Polícia Ambiental, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ou a Secretaria de Meio Ambiente de cada município sejam acionados imediatamente.

Contatos com o BPMA

Região Centro/Serrana – (27) 3636-0173
Região Norte/Noroeste – (27) 3711-8151
Região Norte/Nordeste – (27) 3763-3663
Região Sul – (28) 3521-3358
Região do Caparaó – (28) 3553-2042
Ou e-mail: bpma@pm.es.gov.br

Fonte: Governo do Estado do Espírito Santo


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>