Cães são ameaçados por iniciativas políticas de grupos muçulmanos


Por Juliana Meirelles (da Redação)

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

No Reino Unido um motorista de táxi muçulmano recusou recentemente dar uma carona para o cão de uma mulher com deficiência, alegando que isso infringia as regras do Ramadã. Apesar de que, por lei nenhuma motorista de táxi pode recusar-se a transportar um passageiro com deficiência ou o seu animal de assistência, a menos que haja algum impedimento clinico, o homem não perdeu sua licença de táxi e não foi demitido. O proprietário da empresa de táxi disse que respeitaria a crença religiosa do motorista.

Não é a primeira e nem será a última vez que as atitudes do Islã a respeito dos cães entra em conflito com a visão do Ocidente.

Tem havido muitos casos, tanto na Europa como na América do Norte, de motoristas de táxi muçulmanos e motoristas de ônibus que se recusam a levar cães (mesmo cães-guia para cegos), ou da polícia não deixar os cães perto de muçulmanos suspeitos ou presos, de detentos muçulmanos recebendo roupas novas e também roupas de cama depois que os cães farejadores da polícia farejam suas celas; dos cães serem proibidos de tocar cópias do Corão ou outros itens islâmicos nas celas da prisão, de cães farejadores treinados para detectar terroristas em estações de trem já não são autorizados a entrar em contacto com os passageiros muçulmanos e são equipados com sapatinhos para cobrir suas patas em buscas em mesquitas e casas muçulmanas, de pessoas cegas ou com deficiência acompanhadas de cães que enfrentam hostilidade muçulmana em hospitais, supermercados e de passageiros muçulmanos de ônibus ou foram afastados de restaurantes; dos cidadãos ocidentais sendo algemados e ameaçados de prisão por estarem andando com cães calmos e na coleira próximos à reuniões de muçulmanos – a lista poderia continuar.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Pronunciamentos sobre cães não estão no Alcorão, mas são numerosos nos vários hadiths, coleções de tradições contendo ditos e feitos do profeta Maomé, que formam a base da lei islâmica.

Cães para os muçulmanos são “impuros”, “imundos” e “maléficos”. Como exemplo, o site muçulmano Islam Q & A, diz.

“Não é permitido a um muçulmano manter um cão, a menos que ele precise desse cão para caça, proteger o gado ou suas plantações… No que diz respeito à criação de cães, isso é haram [proibido por Deus] e é de fato um grande pecado, porque aquele que mantém um cachorro, exceto para aqueles aos quais foi feita uma exceção, terá dois qiraats [uma medida de recompensas para boas ações] deduzido do seu salário por cada dia”.

“Pela sabedoria de Allah, gosto chama gosto e mal chama mal. Diz-se que os kaafirs, judeus, cristãos e comunistas no leste e no oeste todos mantêm cães, e Allah proibe. Cada um leva o seu cão consigo e limpa-o todos os dias com sabão e outros produtos de limpeza. Mas, mesmo que fosse limpo com a água de todos os mares do mundo e todo o sabão do mundo, ele nunca iria se tornar puro! Porque a sua impureza é inerente, e da impureza inerente não pode ser limpo, exceto destruindo-o e exterminando-o completamente”.

Um outro site islâmicos, ALbalagh, explica:

Jibra’eel (alayhi Salaam), disse que o grupo dos Anjos não entra em uma casa onde há um cachorro ou fotos. (Sahih Muslim Hadith no.3928)

À luz destas narrações de Ahaadith e de outras, não é permitido manter cães como animais domésticos. A família é privada da misericórdia de Allah Taãla”.

O que segue é uma preocupação islâmica:

“As tradições religiosas afirmam que se um cão – ou mulher – passar na sua frente enquanto você se prepara para rezar, poluirá sua pureza e negará sua oração. Os cães são permitidos como cães de guarda ou para outros fins utilitários, mas não simplesmente como companheiros. Abou El Fadl diz que este zelo pela doutrina levou uma autoridade religiosa a aconselhar um muçulmano, a respeito de seu cão, como sendo o mal e que ele deveria ser expulso cortando-lhe sua comida e água”.

Hasan Küçük, um vereador dos Democratas do Islã em Haia, terceira maior cidade da Holanda, chegou a propor que a cidade proibisse todos os cães, no que foi prontamente repreendido por Paul ter Linden, vereador Geert Wilders do Partido PVV, que lhe disse: “Nesse país animais domésticos são legais. Quem não concorda com isso deve mudar para outro país”.

Os partidos em prol da causa animal também já foram barrados pelas ações de grupos muçulmanos.

O Partido para os Animais da Holanda começou a polêmica ao propor fazer de Haia a cidade mais amistosa para os cães, recebendo forte oposição de Küçük, que em resposta pediu a criminalização dos que possuem cães.

O Partido para os Animais da Holanda, com dois dos 150 assentos na Câmara dos Representantes da Holanda, uma das 75 cadeiras no Senado e 20 assentos em conselhos provinciais e locais, é o partido de seu tipo mais bem-sucedido no mundo. Se você pesquisar “Islã” em seu site, você encontrará a palavra em referência a Geert Wilders e seu partido PVV, como castigá-los por perturbar muçulmanos “desnecessariamente”.

“Halal”, “muçulmano” e “Islã” não aparecem no site do seu equivalente britânico, Partido do Bem-Estar Animal (AWP), que se descreve como “o partido político do Reino Unido para as pessoas, animais e o meio ambiente” (mas apenas quando não ofender os muçulmanos).

Mesmo considerando-se apenas halal e o tratamento de cães, há muito com o que manter bem ocupado um verdadeiro partido político ou associação pelos direitos animais com os problemas e ameaças que o Islã gera para esses seres. Mas é evidente que isso não acontece.

Uma busca no Google feita no site do Partido para o Bem-Estar Animal, em 2010, indicou um resultado para “Islã.” A única referência do site ao islamismo estava em uma página, que já foi removida, ao comentar o resultado da eleição geral holandesa realizada em junho daquele ano.

O problema aqui é que tanto o Reino Unido como os partidos pelos animais da Holanda têm uma questão que devem solucionar – ou talvez já tenham solucionado de maneira equivocada – quem são os seus inimigos e os seus aliados.

Tudo depende de quais são seus objetivos.

Se seu objetivo é politicamente correto, seus amigos são os muçulmanos (incluindo Hasan Küçük, o representante turco-holandês no conselho municipal de Haia, que pediu a proibição de todos os cães na cidade) e seus inimigos são o PVV.

Se seu objetivo é melhorar a condição dos animais (e sabemos que esse é sempre o objetivo primordial), o caso é exatamente o contrário: não só Küçük opôs-se à proposta do Partido pelos Animais “para tornar Haia a cidade mais amistosa para os cães”, ao invés de pediu o extermínio dos cães (pergunto-me de que outra forma eles poderiam banir os cães), ou no mínimo a remoção de suas casas e de seus companheiros humanos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RIO DE JANEIRO

ALTERNATIVA VEGANA

GENEROSIDADE

REABILITAÇÃO

EMPATIA

RECEPÇÃO

FINAL FELIZ

SEM FERIMENTOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>