Estudantes abandonam curso de medicina veterinária por usar cobaias


O professor pegou um bisturi e cortou a perna direita de um sapo. Com o sistema nervoso central inativo, o anfíbio não aparentou desconforto, mas a cena incomodou a estudante Dayanne Roque. “A incisão foi feita para um músculo ser extraído. O bichinho ficou se contorcendo, parecia pedir ajuda”, conta. “Muitos alunos choraram, alguns saíram da sala. Eu parei de olhar na hora que começou a sangrar. Tive ânsia de vômito”, acrescenta a moça, que depois abandonou a graduação de medicina veterinária na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O uso de animais em sala de aula atormenta parte dos alunos de cursos da área de ciências biológicas e saúde.

“Desde os quatro anos, eu dizia que queria ser veterinária”, recorda Dayanne, de 23 anos. Reprovada no primeiro vestibular, ela foi bem-sucedida na segunda tentativa e as aulas começaram em 2011. “No início, não sabia que teria demonstrações com animal vivo. Depois descobri que teria, mas não sabia que isso me afetaria tanto”. O problema começou no primeiro semestre deste ano, em uma aula de fisiologia veterinária, quando o professor fez aquele corte na perna de um sapo. A moça abandonou a disciplina e continuou a frequentar as teóricas, mas entrou em depressão e resolveu trancar sua matrícula. “Eu chorava muito. Começava a chorar na sala de aula, sem motivo nenhum. Foi quando passei a fazer tratamento psicológico. Até hoje tomo medicação controlada”, diz.

Dayanne voltou ao curso no segundo semestre deste ano e de novo penou em uma aula de fisiologia veterinária. O professor prendeu um aparelho à boca de um sapo e o ergueu. Assim como da outra vez, o anfíbio não deveria mostrar qualquer desconforto, mas começou a fazer um barulho estranho, lembra a moça. “Era uma aula prática sobre reflexos. O sapo levantava a patinha em direção à boca, como se pedisse para sair dali. Estava sentindo dor. Foi desesperador. Comecei a chorar”, afirma. A moça saiu do curso de uma vez por todas. “Depois o bicho seria morto, como simples objeto. Esse tipo de aula é desnecessário, não acrescenta nada em aprendizado”, avalia ela, que agora tenta uma vaga para o curso de estatística. Em seu apartamento, a jovem já criou galinha, calopsita, tartaruga, coelho, peixe. Hoje, tem a SRD  Susy, de 12 anos.

Desistência

Lúcia Marques, de 33 anos, ingressou em 2006 na graduação de veterinária da unidade da Pontifícia Universidade Católica de Minas (PUC Minas) em Betim, na Grande BH. Depois de dois semestres, abandonou o curso. “Já no primeiro período, tive aulas com animais. Eles estavam mortos, mas mesmo assim eu sentia uma tristeza profunda. A gente sabia que eles tinha chegado vivos e sido mortos na universidade. Diziam que morriam com uma injeção letal indolor, mas essa explicação não me satisfazia. Eu ficava pensando no sentimento do bicho sendo assassinado”, descreve. Ela decidiu largar o curso quando soube que, a partir do quarto semestre, teria aulas com animais vivos. “Isso era desnecessário, poderíamos aprender com modelos sintéticos”, acredita. Depois de fazer um curso técnico, ela se tornou corretora de imóveis. “Desde criança, sempre falava que queria ser veterinária. Foi um pouco traumático ter de desistir”, constata.

A estudante Marina (nome fictício), de 25 anos, faz odontologia na PUC-Minas. “Desde pequena, sou apaixonada por animais”, diz. Neste semestre, ela deveria ter se matriculado na disciplina de farmacologia, mas não se inscreveu por saber que seriam usados bichos vivos. “Cheguei a falar com a professora, mas ela disse que não tem jeito de mudar, que o uso é autorizado e que os animais ficam anestesiados, não sentem nada”, lembra. “Nessa aula, os alunos aprendem a anestesiar, mas é normal que cometam erros. As meninas da minha sala já me relataram que os ratinhos choram. Vou ver com a coordenação do curso se posso fazer essa disciplina sem precisar encostar neles. Se não for possível, nem sei o que farei”, diz.

Fonte: Clic Folha


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE

TECNOLOGIA

DESUMANIDADE

ACOLHIMENTO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>