“Existem métodos alternativos aos testes com animais”


A prova de que os testes com animais também falham estão na talidomida, que não mostrou efeitos indesejáveis em animais, mas provocou graves efeitos quando usada em seres humanos, e no diclofenaco, anti-inflamatório humano que teria sido descartado porque provoca reações graves em cães. Esses são alguns dos argumentos contrários aos testes com animais do veterinário e professor na Universidade Regional de Blumenau (SC) Luiz Negrão, mestre em zootecnia e doutor em Ciências Humanas. Por e-mail, ele respondeu a algumas perguntas. Confira alguns trechos:

Zero Hora — Existem, hoje, alternativas ao uso de animais para testes de produtos cosméticos e farmacêuticos para humanos?

Silvio Luiz Negrão — Existem vários métodos alternativos para testes de produtos cosméticos e farmacêuticos que em muitos casos eliminariam a necessidade de realizar os testes primeiro em animais para depois transpor os resultados aos seres humanos: utilização de células e tecidos cultivados em laboratório para pesquisas toxicológicas e investigações de natureza bioquímica, culturas de células de diversos tecidos podem ser utilizadas e nelas podem ser realizados testes de toxicidade de várias substâncias. Teste da membrana corioalantoide: utiliza ovos de galinha fertilizados para avaliar a irritabilidade da membrana corioalantoide, que possui uma grande quantidade de vasos sanguíneos.

ZH — O senhor é contrário ao uso de animais para testes desses produtos? Por quê?

Negrão — O especismo pode ser definido como uma forma discriminatória pela qual seres humanos tratam seres de outras espécies animais como se estes existissem, exclusivamente, para servir aos interesses dos seres humanos. Nesta perspectiva, os interesses de alguns seres humanos sempre são colocados como inquestionavelmente superiores e, portanto, prioritários em relação aos interesses de todos os demais animais. A justificativa do uso de animais em testes de produtos e medicamentos não deve ser devido a sua segurança ou pela diminuição dos riscos quando este produto ou medicamentos for usado em seres humanos. Caso contrário, vários medicamentos humanos não seriam lançados no mercado.

ZH — Quando se justificaria o uso de animais em testes?

Negrão — De forma simplificada, usar animais para testes de produtos ou medicamentos só se justificaria eticamente se eles fossem usados para promover, prevenir e/ou restabelecer a saúde da mesma espécie em que foram testados.

Fonte: Zero Hora


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TRATAMENTO MÉDICO

PROGRESSO

GANÂNCIA

DESTRUIÇÃO AMBIENTAL

COREIA DO SUL

VEGANISMO

PRESSÃO PÚBLICA

RESILIÊNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>