Macacos órfãos tem dificuldade em lidar com o sofrimento e sentir empatia


O laço entre mãe e filhos pode ter um papel crucial no desenvolvimento de habilidades sociais em macacos bonobos. Essa é a conclusão de um estudo feito pelo Centro Nacional de Pesquisa de Primatas de Yerkes, em Atlanta, nos Estados Unidos. Os resultados foram publicados na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS).

Os pesquisadores estudaram um grupo de jovens bonobos (Pan paniscus) que vivem em um santuário na República Democrática do Congo, na África. Bonobos e humanos compartilham 98,7% dos genes, mesmo percentual compartilhado entre humanos e chimpanzés.

 (Foto: Zanna Clay/Divulgação)
(Foto: Zanna Clay/Divulgação)

A maioria dos animais analisados eram órfãos acolhidos pelo santuário. Mas alguns nasceram no local e lá foram criados pelas próprias mães. O estudo avaliou de que maneira os jovens macacos com diferentes tipos de criação responderam a eventos estressantes, como perder uma luta ou observar o sofrimento de um companheiro.

O estudo buscou nos macacos a presença de uma gama de habilidade sociais – incluindo a sustentação de interações sociais através de jogos de luta, a superação do próprio sofrimento, e o consolo de colegas que tenham sofrido algum problema.

Os autores descobriram que os jovens bonobos que tiveram maior habilidade em controlar seu próprio sofrimento, o que foi determinado pela frequência e o tempo que eles gritavam após perder uma briga, tiveram maior tendência a consolar outros bonobos em situação de sofrimento.

Tanto a capacidade de controlar seu próprio sofrimento quanto a de consolar outros macacos – identificada em ações como tocar, acariciar, abraçar e beijar o colega – foi observada com maior frequência nos animais criados pela mãe, em comparação aos órfãos.

Pesquisas anteriores já sugeriam que, em humanos, habilidades sociais, como a capacidade de expressar simpatia e responder ao sofrimento dos outros, estão ligadas à capacidade de controle das próprias emoções. Mas ainda não se sabia se a mesma relação podia ser observada nos primatas.

“Os resultados mostram a interação entre o desenvolvimento de habilidades sociais e habilidades emocionais e a importância do laço entre mãe e filhos na promoção da competência sócio emocional”, diz o estudo.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AVANÇO

COMPORTAMENTO

'SAVE RALPH'

ÍNDIA

REVOLTA

AÇÃO SOCIAL

MÉXICO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>