Tosse pode ser sinal de doenças cardíacas em cães


Os cães não estão livres das doenças do coração. Com o avanço da idade, a partir dos seis anos, esse tipo de complicação costuma aumentar, alerta a veterinária Luciane Martins, especialista em cardiologia, do Hospital Veterinário Pet Center Marginal. “O tutor precisa ficar atento aos sinais para que o tratamento seja iniciado o quanto antes possível”, avisa a especialista.

Um dos sintomas mais comuns, que muitas vezes passa despercebido, é a tosse que lembra um engasgo. “Parece que o animal está sufocando com algo, mas logo passa. Em geral, esse tipo de comportamento aumenta à noite, além disso, costuma estar associado à perda de apetite, cansaço durante os passeios, falta de ar e desmaios” exemplifica a veterinária.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A melhor forma para ter o diagnóstico precoce é se habituar a levar os animais às visitas periódicas no veterinário. “Ao auscultar esses pacientes, podemos identificar o sopro, e alterações no ritmo dos batimentos (arritmias) e avaliar a normalidade dos sons pulmonares. E para confirmar o diagnóstico serão realizados exames como o ecocardiograma, o eletrocardiograma e o raio-X do tórax”, avisa.

Uma das enfermidades mais comuns em cães acomete a válvula mitral (Endocardiose de Mitral), doença adquirida que aparece com a idade avançada. Segundo a veterinária, esse tipo de doença afeta principalmente os cães de raça pequena, aqueles que hoje são os mais populares no país, como o Poodle, Dachshund, Maltês, Lhasa Apso, Yorkshire, Shi-Tzu, Chiuaua, Cocker Spaniel e Pinscher.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

De acordo com a Dra. Luciane, a válvula mitral tem a característica de fechar e abrir para permitir que o sangue flua de um compartimento do coração para o outro. “Uma degeneração nos folhetos que compõem a válvula, relacionada à raça e idade, ocasiona o problema, e faz com que ocorra um mal fechamento deste aparelho, causando um refluxo para o átrio esquerdo e acúmulo de sangue no coração”, esclarece.

Em outras palavras, com a condição, o organismo recebe oxigenação ineficaz, e o sangue congestionado no coração leva à insuficiência do órgão, sendo diagnosticado como insuficiência cardíaca congestiva. Nesta fase o cão deve apresentar relutância aos passeios, cansaço fácil e menor desempenho nas atividades em geral, além da tosse.

Mas por que a tosse acontece? Com o sangue acumulado, a pressão dentro do coração aumenta. Aos poucos, para comportar o grande volume de sangue, o átrio começa a expandir de tamanho. Com o aumento do órgão, ele pressiona a traqueia, causando a tosse, que pode ficar mais ou menos intensa conforme a posição do animal e o seu esforço físico.

Apesar de não ter cura, a doença pode ser controlada com medicação, retardando sua progressão e o mais importante, trazendo conforto para o animal.

Fonte: O Guaruçá


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO

SOFRIMENTO EMOCIONAL

DOÇURA

AÇÃO HUMANA

JAPÃO

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO SONORA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>