28 cães são mortos depois que abrigo enganou seus tutores


Por Ana Rita Negrini Hermes (da Redação)

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Vinte e oito. Este é o número de animais que foram mortos em um abrigo na Geórgia depois que seus tutores pagaram $100 ou mais com a promessa de que receberiam todas as vacinas e cuidados médicos e seriam colocados em famílias adotivas.

Lowanda Kilby, ex-diretora do ‘Boggs Mountain Humane Shelter’, um abrigo na Geórgia que supostamente não matava seus animais, foi indiciada pelo grande júri em 4 de setembro por alegadamente cobrar dos tutores para não matar seus animais e depois assassiná-los mesmo assim. O abrigo foi fechado desde então.

Kilby é acusada de canalizar mais de $10.000 do projeto chamado “Lucky Dog-Lucky Kitty” – Cachorro sortudo-Gatinho sortudo – para sua conta pessoal do PayPal. A acusação também relaciona os nomes de todos os 28 animais que foram dados por seus tutores para adoção com a promessa de que não seriam mortos.

São Buddy, Georgie, Brady, Tug, Tank, Red, Spot, Jake, Ginger, Denver, Toshie, Kelly, Dixie, Roger, Nora, Spike, Boss, Lola, Oreo, Sally, Pookie, Brownie, Thor, Jenny, Molly, Tuxedo, Jersey, Bart.

Eles são simplesmente chamados de “animais”, mas Chris Simmons, diretor da ‘Paws 4 Life’, referiu-se a eles como cães, numa declaração postada na página do Facebook do abrigo.

Matar animais não é crime na Geórgia

Uma vez que matar animais não é crime na Geórgia, nenhum dos 60 crimes acusa Kilby de crueldade ou maus tratos a animais. Ela está sendo acusada de roubo, fraude e violação da Lei RICO – Lei contra Corrupção e Extorsão da Geórgia, por suposto mau uso das doações.

Tristemente, este cenário não é o único. No ano passado, nós publicamos o relatório de quase 100 cães que foram encontrados em condição deplorável e que eram abusados em um grupo de resgate animal em Wingo, Kentucky, que foi criado para salvá-los e dar a eles a chance de uma nova vida.

Quando a equipe de resgate chegou ao local, eles encontraram cães de várias raças e tamanhos andando entre pilhas de detritos e vivendo em cercados lotados e dilapidados, vagando entre cães mortos e ossos de cães espalhados pela propriedade.
No início deste ano, houve o caso de 19 animais que foram encontrados em condições lamentáveis em um suposto “abrigo de resgate de cães”.

Neste incidente, uma mulher da Flórida parecia estar administrando um afetuoso serviço de resgate em sua casa, mas, na verdade, ela estava amontoando 17 cães e dois gatos em condições esquálidas. Ela e seu namorado foram subsequentemente presos e acusados de crueldade contra animais e negligência infantil, porque também havia duas crianças morando naquela imundície.

Kilby primeiro matou os animais e então enviou fotos falsas de suas novas casas.

No Abrigo ‘Boggs Mountain Humane Shelter’, Kilby rotineiramente enviava cartões de agradecimentos aos tutores dos animais e garantia a eles que seus animais tinham sido adotados por uma nova família e, às vezes, até mesmo enviava fotos falsas do animal em sua nova casa – tudo isto depois que os animais haviam sido mortos.

“É motivo de desgraça para a comunidade. Nós queremos ter certeza de mostrar que o caso foi investigado e que alguém será considerado responsável,” disse a WAGA o Promotor Brian Rickman, do Condado de Rabun.

Por que humanos se comportam assim com os animais? Ao invés de fazer um exame psicológico destas pessoas, vamos apenas dizer que controlar animais, torturá-los e matá-los são todos atos de extrema covardia. A vida destes animais depende de seus tutores humanos.

Não se deveria permitir que tais pessoas ficassem perto de animais.

A boa notícia é que o programa ‘Lucky Dog – Lucky Kitty’ da Geórgia foi assumido pelo Abrigo Animal de Rabun ‘Paws 4 Life’. ‘Paws 4 Life’ também diz ser um abrigo que não mata os animais que lá chegam, mas seu relatório mensal de agosto prova que o abrigo teve um “índice de libertação de vida” (ou seja, morte) de 98 por cento.

Lamentavelmente, os 28 animais do Abrigo ‘Boggs Mountain Humane Shelter’ foram silenciados para sempre. Que isto não aconteça novamente no condado de Rabun, na Geórgia, ou em nenhum outro lugar.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

MAUS-TRATOS

HABITATS DESTRUÍDOS

OMISSÃO

ECONOMIA CIRCULAR

DEDICAÇÃO

TECONOLOGIA

COMPAIXÃO

DESGOVERNO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>