Corujas continuam sendo mortas em rituais religiosos da Índia


(da Redação)

Foto: Care2
Foto: Care2

Um aumento no comércio ilegal de corujas para serem sacrificadas no Diwali, festival religioso hindu, ameaça o futuro desses animais na Índia. As informações são da Care2 e da TRAFFIC.

Superstições e falsas crenças criaram uma demanda por corujas e partes de seus corpos em rituais durante esse festival anual, que se chama Festival Hindu das Luzes e costuma ocorrer nos meses de outubro ou novembro. A prática já foi citada em reportagem da ANDA em 2010.

Dos corpos dos animais se utilizada quase tudo nas cerimônias, incluindo crânio, penas, garras, coração, fígado, rins, sangue, olhos, gordura, bico, lágrimas, cascas de ovos, carnes e ossos. Tufos de orelha das corujas (extensões de penas no alto da cabeça) são considerados “detentores dos maiores poderes mágicos”, segundo a reportagem.

Centenas de corujas são capturadas em armadilhas e vendidas todos os anos, apesar da caça e do comércio de todas as espécies de corujas da Índia serem proibidos de acordo com a Lei de Proteção à Vida Selvagem de 1972.

Esses animais e as partes de seus corpos são usadas em magia negra, performances de rua, taxidermia, consumo alimentar e medicina alternativa, e até mesmo seus ovos são usados em jogos de azar, conforme informado por Abrar Ahmed, especialista em comércio de pássaros indianos da Organização TRAFFIC (The Wildlife Trade Monitoring Network), que monitora o comércio de vida selvagem.

“As corujas desempenham um papel ecológico fundamental pois controlam a população de ratos e grandes insetos. Em um país de economia agrária, onde 60% da população depende da agricultura, a importância das corujas precisa ser reconhecida, e proteção estrita deve ser dada a estes magníficos pássaros noturnos”, acrescenta Ahmed.

A Care2 lançou uma petição que será direcionada ao governo da Índia e que apela para que este atue junto aos especialistas de modo a fiscalizar e a tomar medidas contra os caçadores. A petição solicita também que sejam providenciados mais centros de reabilitação para os animais apreendidos, para que possam ser recuperados e voltar à natureza. A reportagem finaliza com a afirmação de que “mais proteção tem que ser dada às corujas se os humanos quiserem que elas continuem existindo na Índia”.

Coruja é medicada por veterinário em Ahmadabad, Índia. (Foto: Ajit Solanki/AP)
Coruja é medicada por veterinário em Ahmadabad, Índia. (Foto: Ajit Solanki/AP)

Assine a petição:

http://www.thepetitionsite.com/322/656/307/stop-owl-sacrifices-in-india/?z00m=20616677

Nota da Redação: Em seu site, a TRAFFIC anuncia que seu papel é o de “trabalhar para assegurar que o comércio de plantas e animais selvagens não seja uma ameaça para a preservação da natureza”.

Embora seja digno o propósito da petição e sua validade esteja acima de questionamentos, a ANDA deixa claro que não concorda com uma organização que trabalhe no sentido de apoiar o comércio de animais. Qualquer forma de comercialização de seres sencientes é condenável e deve ser combatida, pois coloca os animais na situação de objetos ou mercadorias, e incita uma série de consequências como crueldade, confinamento, abandono e maus-tratos. 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CALIFÓRNIA

ANGÚSTIA

COMPANHIA

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>