Núcleo de atendimento a animais deve parar em Campos (RJ)


Animais tratados no NEPAS (Foto: NEPAS/UENF)
Animais tratados no NEPAS (Foto: NEPAS/UENF)

O núcleo que presta atendimento a animais silvestres que são resgatados pela Guarda Municipal Ambiental pode parar de funcionar na próxima semana. De acordo com o veterinário responsável pelos atendimentos, Henrique Nogueira, a falta de incentivo e o número de apreensões feitas em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, são incompatíveis com a estrutura que o centro possui.

Funcionando desde 2006 e recebendo animais desde 2009, o Núcleo de Estudos e Pesquisa em Animais Selvagens (NEPAS) funciona em uma sala na Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), e só no ano de 2013 já recebeu 318 animais, 24% a mais do que em todo ano de 2012.

“No município de Campos foram criados meios de fiscalização, mas não há um local oficial de apoio. Nós trabalhamos por amor aos animais, com o auxílio dos alunos da graduação, tudo é feito para conseguir reabilitá-los, mas chegamos num ponto onde a estrutura já não está suportando”, comentou o veterinário Henrique Nogueira.

De acordo com o veterinário, sempre foi uma meta tentar sanar o problema de falta de estrutura. Os animais que não conseguiam se recuperar e ganhar o habitat natural eram encaminhados para o Centro de Tratamento de Animais Silvestres (CETAS), localizado na baixada fluminense, na cidade de Seropédica.

“Nos últimos meses, o centro de Seropédica começou a não aceitar os nossos animais, porque as apreensões feitas na região também aumentaram. Todos os animais capturados no estado do Rio de Janeiro deveriam ser encaminhados para lá, mas a superlotação não nos dá saída”, comentou Henrique.

Trabalho realizado no NEPAS (Foto: NEPAS/UENF)
Trabalho realizado no NEPAS (Foto: NEPAS/UENF)

A assessoria de imprensa da prefeitura de Campos dos Goytacazes informou que a Guarda Ambiental ainda está avaliando a situação. De acordo com o subcomandante, Sávio Tatagiba, o trabalho não vai parar, mas se torna limitado a partir da próxima semana.

“O trabalho que a gente realiza passa por três fases. Na primeira, a gente fiscaliza, faz o resgate e a apreensão. Na segunda, os animais são encaminhados para o NEPAS, onde são avaliados. A terceira etapa passa pela soltura e depois pelo encaminhamento do animal. Estamos perdendo a segunda etapa e esse trabalho é feito em conjunto, não podemos fazer ações isoladas”, disse Tatagiba.

A expectativa do subcomandante é de ter o apoio de veterinários do Centro de Controle de Zoonozes (CCZ) e de um futuro convênio com um órgão público, para dar continuidade ao trabalho.

 

Procedimento e soltura de tamanduá (Foto: NEPAS/UENF)
Procedimento e soltura de tamanduá (Foto: NEPAS/UENF)

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>