Cachorrinha morre após ser atingida por ácido em Joinville (SC)


Apenas um dos três cães de Luciana foi atingido com o produto químico. (Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS)
Apenas um dos três cães de Luciana foi atingido com o produto químico. (Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS)

Todos os dias ao chegar em casa do trabalho, a moradora do bairro Saguaçu, na região central de Joinville (SC), Luciana Feder, 31 anos, era recebida por Petra (uma labradora), Pancho (um Pit bull) e Pérola (uma dachshund) – os três cachorros da família. O  Pit bull e o labrador ainda estavam bem na tarde desta terça-feira, menos a dachshund – a mais agitada dos três.

A cadela já havia sido enterrada pelo irmão para evitar que Luciana presenciasse o estado em que ela ficou. Pérola foi encontrada morta no quintal de casa após provavelmente ter passado por momentos de agonia. Ela foi morta por uma substância semelhante a ácido. O produto químico corroeu as costas e parte do pescoço do animal. Os tutores suspeitam que tenha sido um ato criminoso.

Como as delegacias estão atendendo apenas as ocorrências de emergência durante a greve, Luciana pretendia registrar um boletim de ocorrência pela internet.

— Vou registrar um BO e preciso alertar os vizinhos. Um cachorro já foi morto em outra ocasião aqui perto — relatou Luciana, ainda inconformada com o fim trágico da dachshund que criava há cinco anos.

A tutora do animal procurou informações com os vizinhos, mas ninguém ouviu a agonia da cachorra ou viu alguma atitude suspeita. Luciana revelou que os cachorros latiam bastante, porém nunca recebeu reclamações dos moradores.

— Se algum vizinho estivesse incomodado tenho certeza que iriam me procurar. Nos conhecemos há muitos anos. Moro aqui desde que nasci — relatou.

Como denunciar crimes de maus-tratos e morte de animais

1) Certifique-se que a denúncia é verdadeira. Falsa denúncia também é crime.

2) Verifique se a situação se enquadra na lei de 98, de crimes ambientais. Caso o animal seja maltratado ou até mutilado, assim como morto, o caso é considerado crime.

3) Primeiro você pode conversar com quem cometeu os maus-tratos. Caso não for possível ou se o ato estiver ocorrendo naquele momento, ligue para a Polícia Militar, no 190.

4) O denunciante também tem direito a registrar um boletim de ocorrência.

5) Se possível, registre o crime com fotografias ou vídeos.

6) Tenha em mãos o maior número possível de informações do agressor (somente se tiver certeza de quem é), como nome, profissão, endereço correto.

7) Quando a Polícia Militar for chamada ou ao ir até a delegacia de Polícia Civil registrar um boletim de ocorrência, se apresente com calma e educação. O policial está acostumado a lidar com crimes muito graves .

8) No caso do registro de um B.O., lembre-se que todo o procedimento pode levar horas na delegacia. Mas o primeiro passo para a aplicação das leis depende da sociedade.

9) Se o seu animal foi vítima, você pode processar o infrator, para que ele passe a ter maus antecedentes junto à Justiça.

10) Não tenha medo de denunciar. Você vai figurar apenas como testemunha do caso. Quem denuncia, na prática, é o Estado e o Ministério Público.

*Fonte: Projeto Esperança Animal (PEA)

Fonte: Diário Catarinense


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DENÚNCIA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

RETROCESSO

RESPONSABILIDADE

SOLIDARIEDADE

MISSÃO

ACADEMIA ESPECISTA

SADISMO

DE OLHO NO PLANETA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>