95% dos frequentadores são a favor da manutenção de capivaras na Lagoa da Pampulha


Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Não se sabe ao certo quando eles chegaram por ali, provavelmente seguindo o curso d’água, mas o fato é que várias famílias de capivaras escolheram viver às margens da Lagoa da Pampulha, onde passeiam sossegadas e livremente pelos jardins criados pelo paisagista Burle Marx (1909-1994). Ao longo dos anos, as capivaras transformaram-se em mais uma atração para crianças e adultos que visitam a região. Agora, porém, as capivaras – que se alimentam das plantas dos jardins – estão sendo vistas como ameaça ao reconhecimento do Conjunto Arquitetônico da Pampulha como patrimônio cultural da humanidade.

“A população de capivaras da Pampulha cresce de maneira vertiginosa”, afirma o vice-prefeito, Délio Malheiros (PV), que acumula o cargo de secretário do Meio Ambiente. “Temos de trabalhar preventivamente.” A prefeitura conseguiu contar 170 exemplares, mas diz que o número pode ser até maior. Na última terça (9), Malheiros se reuniu com especialistas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) para discutir um plano de captura dos animais. A prefeitura pretende lançar, em agosto, um edital para contratar o serviço de manejo. Serão destinados cerca de R$ 350.000 à empresa vencedora para trabalhar por um ano, a partir de setembro. A administração municipal já recorreu ao expediente antes, mas nunca em uma escala tão grande. Desta vez, a ideia é retirar 90% dos animais de lá. “Vamos deixar um número reduzido, porque a capivara já faz parte da lagoa”, adianta Malheiros. Mais de 95% das pessoas que frequenta a lagoa dizem apoiar a ideia.

Entenda

A Prefeitura de Belo Horizonte (MG), por meio do vice-prefeito e secretário municipal de meio ambiente, Délio Malheiros, apresentou na manhã desta terça-feira (9) ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) um termo de referência para embasar o edital que pretende contratar empresa especializada para criar plano de manejo para as capivaras da lagoa da Pampulha, na região de mesmo nome, na capital. A expectativa é que a empresa comece a atuar em setembro.

A abertura da concorrência está prevista para ser publicada em um mês e pretende contratar empresa para retirar 153 capivaras da orla da Lagoa (90% delas), realocando-as em ambiente adequado para a sobrevivência, que, segundo o Ibama, deve ser um lugar grande e preservado. Os 10% restantes (17 capivaras) ficarão na Pampulha e serão monitoradas pela empresa vencedora do edital. A reprodução delas deve ser acompanhada para que o número de animais não cresça muito.

Na visão da prefeitura, essa é uma medida preventiva. Além disso, a retirada dos animais da lagoa pretende evitar que eles destruam os jardins da região e circulem em vias públicas e estejam seguros.

“Esses 10% que continuarão na lagoa são importantes para manter a biodiversidade no local, e, como serão monitorados, não trazem risco”, justificou Malheiros.

O Ibama irá avaliar tecnicamente o termo para verificar se será necessário alguma alteração no texto do edital.

De acordo com cálculo apresentado pelo vice-prefeito, a empresa contratada gastará cerca de R$ 350 mil em um ano de monitoramento dos animais.

Com informações de Veja BH


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CALIFÓRNIA

ANGÚSTIA

COMPANHIA

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>