Crianças presenciam com terror um oficial do ccz atirar em cinco gatinhos


Por Marília Paixão (da Redação)

Quatro crianças presenciam com terror um oficial do controle de zoonoses atirar em cinco gatinhos após prometer que eles “iriam para o céu dos gatos”. As informações são do Daily Mail.

Foto: Daily Mail
Foto: Daily Mail

Um oficial do controle de zoonoses de Ohio espalhou a indignação entre os ativistas e protetores de animais após matar a tiros uma ninhada de gatos selvagens na frente de uma mãe e suas crianças.

Foto: Daily Mail
Foto: Daily Mail

O oficial Barry Accorty, um veterano do departamento de polícia de North Ridgeville, atendeu a um chamado de uma mulher informando que havia filhotes de gatos selvagens vivendo em meio a pedaços de lenha e causando problemas.

De acordo com a mãe das crianças, Accorti disse a ela que os abrigos estavam lotados e que os filhotes “iriam para o céu dos gatos”.

Então, Accorti foi até a caminhonete, pegou sua arma e abriu fogo contra os gatinhos, que tinham entre oito a dez semanas de idade. A mãe dos filhotes conseguiu fugir ilesa, informou a mídia local.

O oficial reconheceu que ele não deve atirar em animais, mas afirmou que suas ações são justificadas como uma forma de eutanásia.

A mulher correu para dentro de casa, horrorizada, e encontrou seus filhos, com idades entre cinco meses e sete anos, gritando e chorando após terem ouvido os disparos.

Em uma declaração apresentada no mesmo dia, o chefe de polícia de North Ridgeville explicou que a mulher havia contatado a polícia pelo Facebook, pedindo ajuda com os gatos selvagens, que há anos vinham causando infestações de pulgas, mortes de outros animais selvagens e odor desagradável.

Quando Accorti chegou ao local, ele especificamente informou à mulher que, devido ao fato dos gatos colocarem a segurança e a saúde dos moradores em risco, eles seriam eutanasiados caso ela aceitasse a ajuda da Humane Society.

De acordo com a declaração da polícia, a mulher aceitou e, então o monte de lenha que abrigava os animais foi destruído por Accorti e os felinos foram “eutanasiados”.

O chefe de polícia Mike Freeman disse à imprensa que a mãe das crianças afirmou depois que ela estava ciente de que os gatos selvagens seriam eutanasiados, mas não esperava que isso fosse acontecer a poucos metros de seu quintal e nem que seus filhos pequenos fossem ouvir os tiros.

“Meu filho de seis anos desceu as escadas correndo e chorando ‘Mamãe, mamãe, ele atirou no gatinho’”, a mãe relembra com lágrimas nos olhos.

Por fim, Freeman defendeu Accorti, dizendo que suas ações foram apropriadas e justificáveis. Na declaração também é mencionado que o departamento de polícia conversará com os oficiais de controle de zoonoses sobre como melhorar a comunicação com o público.

“Nós estamos aqui para ajudar aqueles que buscam nossos serviços. Temos orgulho de não sermos daqueles que dizem as pessoas que algo não é problema nosso ou que não podemos fazer nada para ajudá-las”, Freeman menciona em sua declaração. “Essas seriam saídas muito fáceis, mas sair andando e deixar um assunto de segurança pública sem solução seria irresponsável de nossa parte.”

Accorti não é filiado à Human Society de Ohio, como havia sido afirmado anteriormente. A organização tem se mantido contrária às ações do oficial, mencionando que ele deveria ser demitido e acusado de maus-tratos contra animais.

O incidente e a resposta do chefe de polícia causou calorosa reação entre protetores dos animais, alguns dos quais chegaram a ponto de postar ameaças e comentários ofensivos na página do Facebook do departamento de polícia local, a qual teve que ser fechada.

A Ohio Society for the Prevention of Cruelty to Animals (Ohio SPCA), uma organização de proteção animal, mostrou-se enfurecida com as atitudes de Accorti, assim como com a decisão de Freeman de proteger o oficial. A diretora da organização, Teresa Landon, disse que a SPCA quer que o prefeito demita Accorti e que ele seja acusado de maus-tratos contra animais. Entretando, Accorti estava de volta ao trabalho dois dias depois.

“É de partir o coração”, disse Landon à imprensa. “Não há desculpa para o que ele fez. É completamente vergonhoso que alguém com um título como o dele faça uma coisa dessas.”

A diretora da SPCA explicou que, caso Accorti estivesse em perigo iminente de ser atacado por um animal, suas ações seriam justificáveis; mas nesse caso, os gatinhos indefesos estavam sentados e tranquilos dentro do monte de lenha.

“Eles não tinham que morrer. Tinham apenas dez semanas de idade, no máximo, e ainda poderiam ter sido socializados”, afirmou Landon.

Enquanto isso, um canal de TV informou que o grupo de proteção aos direitos dos animais Pooch Patrol organizou uma passeata em North Ridgeville para protestar contra a matança dos animais.

Foto: Daily Mail
Foto: Daily Mail

O incidente ocorreu apenas dois meses após Accorti ter sido elogiado pela mídia local por ter resgatado um filhote de coruja que havia caído de seu ninho.

Foto: Daily Mail
Foto: Daily Mail

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AÇÃO HUMANA

ABUSO

ÓRFÃO

COREIA DO SUL

SOB INVESTIGAÇÃO

AGRESSÃO BRUTAL

INSTINTO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>