Comércio de barbatana

Japão deve rejeitar acordo que regula pesca de tubarões no mundo

O governo do Japão deverá rejeitar o acordo internacional proposto recentemente pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Flora e Fauna (CITES) para regular a pesca e o comércio de tubarões, anteciparam neste sábado (1º) fontes oficiais.

Apesar de a espécie em geral ter sido reduzida drasticamente nos últimos anos devido ao comércio de sua barbatana, Tóquio considera que não é necessário ampliar a regulação de sua pesca e que esta deve seguir vinculada aos organismos já existentes, detalharam as fontes à agência “Kyodo”.

Foto mostra pescador secando partes de tubarões no Japão em março de 2013  (Foto: Toshifumi Kitamura / AFP)
Foto mostra pescador secando partes de tubarões no Japão em março de 2013 (Foto: Toshifumi Kitamura / AFP)

Neste sentido, espera-se que Japão rejeite o acordo decidido no último mês de março em Bangcoc durante a convenção do CITES, na qual se decidiu ampliar o número de espécies de tubarão protegidas.

Na ocasião, o acordo alcançado na Tailândia obteve apoio de mais de dois terços dos países participantes, a necessidade exigida para a criação de permissões especiais aos países que realizam exportações de tubarões para reforçar seu controle.

Durante essa convenção, o bloco de países asiáticos, liderado por China e Japão, antecipou que considerava “inaceitável” a inclusão de novas espécies de tubarão na lei de proteção, entre as quais se encontram o oceânico, o martelo comum e o gigante, entre outros.

Anteriormente, o Japão já rejeitou outras decisões da CITES, como a proibição de comercializar diversas espécies de baleias e tubarões, como o branco e o baleia, e inclusive a relativa à pesca de cavalos marinhos, utilizados na Ásia para elaborar remédios contra a asma e disfunção erétil.

Fonte: G1

Nota da Redação: Importante frisar que a regulamentação da pesca para a preservação das espécies não tem nada a ver com o direito dos animais. É uma visão utilitarista, que busca impedir que se acabem os “estoques” de espécies ameaçadas, o que pode causar impactos ambientais e vir a prejudicar o próprio ser humano. Quando ao direito de viver de cada animal, enquanto indivíduo, não há qualquer preocupação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui