Sapos e outros animais são servidos vivos na Ásia


Por Patricia Tai (da Redação)

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Chama-se “ikizukuri” e, segundo reportagem da Care2, talvez seja a mais horrível e chocante forma de “jantar” já inventada.

Imagine um sapo gordo, vivo. Uma mão ergue-o e conduz uma faca através de sua barriga, cortando-o brutalmente pela metade. Outra mão aperta as suas entranhas, e suas lágrimas correm. A pele é arrancada pelas extremidades inferiores. Os músculos das pernas estão bem fatiados e em pedaços, e a pele crua e trêmula é colocada em um prato.

A metade superior do corpo do sapo é colocada ao centro, entre fatias de limão, molho de soja, e as partes cruas de pernas e tronco. O jantar é servido – e o pobre sapo está piscando e olhando para a pessoa que começa a comer as partes de seu corpo.

Você não precisa imaginar nada disso. Se você tem estômago, pode ver neste vídeo filmado no restaurante Asadachi, em Tóquio. Aviso: as imagens são fortes.

Acontece rápido e “furiosamente”, para garantir que esta entrada seja colocada antes do prato principal.

De acordo com a reportagem, o Asadachi se orgulha das opções bizarras de seu cardápio. No menu, também se encontram pratos com testículos e úteros de suínos, salamandras grelhadas, sashimi de cavalo e aves, pés de tartaruga e pênis de cavalos. É surreal. Na sequência, a reportagem conta que este restaurante não é o único que serve o prato “ikizukuri”, e que foi apenas o local onde o vídeo viral aconteceu de ser filmado. Em grande parte da Ásia, o prato é uma iguaria muito procurada.

Preparado vivo

“Ikizukuri” é uma palavra japonesa que pode ser traduzida como “preparado vivo”. Essa forma de preparo de animais marinhos remonta a dois mil anos de cultura asiática. A ideia básica é de apresentar o sashimi (peixe cru) em seu estado mais fresco. E nada mais fresco que aquilo que ainda está vivo, com o coração batendo, sobre o prato – o conceito em seu paroxismo, no prato em questão.

Danielle Demetriou escreveu ao The Telegraph em 2008, descrevendo a sua experiência com prato “vivo”:

“Após eu fazer a minha escolha, um chef capturou com indiferença um grande peixe que se debatia, estripou a criatura com três golpes hábeis e removeu alguns pedaços de sua carne. Uma bandeja de gelo foi colocada diante de mim levando o corpo do peixe esculpido, que se contraía claramente, com o coração ainda batendo, inequivocadamente ainda vivo. Alguns pedaços de sua carne foram cortadas em fatias finas de sashimi e colocadas ao seu lado.”

Assine a petição criada pela Care2 para que esta prática tenha fim.

Nota da Redação: Se comer animais já é algo cruel e desnecessário, comer animais vivos beira o ápice do sadismo e da falta de humanidade. Mas que isso possa lembrar a todos os que ainda comem carne que aquilo que comem diariamente em seus pratos – e está morto, cozido, e temperado, e que eles não podem ver a face – há pouco tempo também esteve vivo, e foi morto pra lhes servir de refeição. Talvez apenas o visual seja diferente.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

APELO

LUTO

FLORIANÓPOLIS (SC)

SÃO PAULO

INOVAÇÃO

AMOR

ESTUDO

ÁFRICA DO SUL

CÂNCER DE PELE

CONSERVAÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>