CQC reforça discriminação e preconceito contra gato preto


Por Lobo Pasolini  (da Redação)

Toda pessoa que trabalha na mídia, seja como jornalista, ator ou comediante, tem a obrigação de respeitar certas regras éticas. Isso não é censura, mas sim uma forma de proteger os vulneráveis. Quem trabalha em indústrias culturais deve ter a imaginação rica o suficiente para criar sem promover violência, humilhar, discriminar e propagar ignorância em uma sociedade que padece gravemente deste mal.

Ontem (12) em sua reestreia o programa CQC fez exatamente isso ao apelar, para fazer graça, para uma mentira antiga sobre gatos pretos – que eles dão azar. Os integrantes do programa receberam uma caixa com um gato preto que supostamente teria sido enviada pela Globo para supostamente agourar. a nova temporada. Para piorar a situação, eles ainda voltaram com três espetos fingindo que tinham feito churrasco do gatinho, o que é crime também.

Curiosamente, para um programa que faz tanta sátira política, repetir a mesma falta de decoro com as leis e com a vida alheia, como fazem os políticos de Brasília, é no mínimo hipócrita, além de ser altamente irresponsável.

Os animais já sofrem com a violência humana. A última coisa que eles precisam é de humor que possa suscitar ainda mais violência contra eles. O CQC deveria se envergonhar por esse lapso de julgamento.

Ativismo:

Veja o vídeo (o gato entra bem no final)

Escreva para Band

Proteste em sua página no Facebook

Twitter: @cqc


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VIDA NA RUA

SEGUNDA CHANCE

MAUS-TRATOS

CENSURA

DESPERTAR

PROTEÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>