Gada promove manifestação contra venda de animais em Rio Claro (SP)


Por Ednéia Silva

Animais expostos para venda em feira (Crédito: Divulgação)

O Gada (Grupo de Apoio e Defesa dos Animais) está organizando uma manifestação de protesto contra a Exposição Nacional de Filhotes que ocorre neste fim de semana em Rio Claro (SP), no Centro Social Urbano Mitiko Nevoeiro, no bairro do Estádio. A manifestação está marcada para as 17 horas desta sexta-feira (2) em frente ao CSU. A presidente da entidade, Roberta Escrivão de Campos, convida a população a participar do movimento. De acordo com ela, a ideia é incentivar a adoção de animais e não a compra.

Além disso, Roberta alerta a população para ter cuidado com os animais adquiridos em feiras e exposições. Segundo ela, no ano passado, muitos animais comprados nesse tipo de evento morreu vítima de cinomose, doença altamente contagiosa provocada pelo vírus CDV (Canine Distemper Vírus). “As pessoas ficaram sem os animais e o dinheiro, pois não foi possível contatar os organizadores da feira que venderam os filhotes”, comenta Roberta que convoca a população a participar da manifestação de protesto.

O organizador da exposição, Nelson Serra Correia, afirma que tem todas as autorizações para realização da feira. Ele nega que os animais sejam maltratados no evento. Segundo ele, todos os animais passam por avaliação médica antes da exposição. Além disso, a feira tem um veterinário de plantão durante o evento.

Correia afirma que há 17 anos promove esse tipo de evento e nunca teve problemas. Para isso, diz, sempre procura ter os dados dos criadores que participam da exposição. Ele ressalta ainda que todo criador que expõe na feira é obrigado a emitir contrato de compra e venda dos filhotes, inclusive com prazo de garantia. Segundo ele, o problema é que nem sempre o comprador lê o documento antes de assiná-lo e concluir a compra. Correia orienta as pessoas a ler atentamente o documento. Ele, bem como o veterinário de plantão na feira, se colocam à disposição para esclarecer dúvidas e orientar os consumidores.

Quanto à morte dos animais, Correia explica que quem se sentir lesado deve procurar o criador, cujos dados devem estar no contrato, a Justiça ou o Procon. Ele afirma que a exposição tem controle sanitário, mas reconhece que podem ocorrer óbitos, pois algumas doenças podem ficar incubadas e se manifestarem posteriormente e não há como prever esse tipo de incidente.

A prefeitura diz que aguarda os organizadores apresentarem documento da Vigilância Sanitária para analisar o pedido de alvará para o evento.

Fonte: Jornal Cidade


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

BOA AÇÃO

CHINA

HEROÍNA

FINAL FELIZ

PAUTA EMERGENCIAL

SOLIDARIEDADE

GESTO DE AMOR


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>