Zoológico: impróprio para crianças e animais



A Vanguarda Abolicionista e ONGS da coalizão Lugar de Animal fizeram manifestações em frente ao Minizoo da Redenção, em Porto Alegre. O objetivo do ato era dar apoio à iniciativa da Prefeitura em fechar o local, cujas condições foram reprovadas pelo Ibama. Um dos argumentos mais cansados que vemos por aí é de que a existência desses parques zoológicos é importante para a educação das crianças. Elas precisam ver os animais “estranhos” e a isso chamam de educar.

A realidade dos zoológicos está longe de ser educacional. São depósitos de animais e, quando abrem as portas à visitação, as cenas são tudo, menos educacionais.

Professores, sob o pretexto de “atividades extraclasse”, levam as turmas para fazerem baderna em torno dos animais. Nenhuma atividade é mais deplorável, tanto para o animal humano quanto para o não humano. Os atuais zoológicos precisam de reformulações sérias. Não podem continuar sendo palco para troca de figurinhas, digo, animais exóticos, nativos. Nem podem estocar animais e expô-los ao ridículo e à visitação permanente. Temos, sim, que lutar por santuários de preservação, onde a visitação, se não rara, pode ser inexistente. Lugares sérios são assim.

Hoje temos imensos recursos educacionais, como vídeos, materiais diversos, e não precisamos usar o animal como objeto de admiração que sinceramente não educa de forma alguma.

Essas visitas servem apenas para mostrar as condições indignas em que os animais vivem. E boa parte das crianças não aprende nada nestes lugares. Sou professora há mais de 10 anos e, pela minha experiência, levar alunos para ambientes assim é uma forma antiprática de educar. Aulas dirigidas em locais próprios, sem a exposição dos animais são bem-vindas, mas excursões não.

O caso do minizoo em Porto Alegre é um exemplo. As pessoas passeiam ali. É um item a mais do parque. Não há nenhuma conscientização quanto à situação dos animais. E quando foi tomada a decisão de acabar com aquilo, que nem mesmo o Ibama aprovou, ainda teve gente que esperneou.

Ou seja, quando algo pode melhorar, mudar, as pessoas lutam pelo conservadorismo. Querem ter o item do parque, os macacos, as figurinhas. Mesmo que tenham ido ali apenas uma única vez, ou nunca! Não podemos pensar nos animais? Levá-los para locais apropriados? Alguns escrevem grosserias afirmando que o que queremos na verdade é soltá-los na via pública.

Isso é coisa de pessoas sem noção, que não respeitam os animais. Gritam liberdade segurando correntes. Lutamos pela liberdade dos animais, sim! Mas até o momento da readaptação ao ambiente natural  (que é obrigação humana, já que fomos nós que os trouxemos ao nosso convívio egoísta) eles precisam de lugares adequados. E podem ter certeza de que há verbas e locais para isso. Falta apoio popular. Até mesmo apoio político nós temos neste caso.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CALIFÓRNIA

ANGÚSTIA

COMPANHIA

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>