À beira do fogão

silvana
janeiro 13, 2012

IMagem: Reprodução

O dia em que meu filho chegou e disse: “se eu me conheço, jamais volto a comer carne…”, foi o marco inicial de um processo com repercussões profundas na minha forma de ser e “estar” no mundo. Ele, na época com 18 anos, assistira a um vídeo sobre abate de porcos. Ali mesmo, à beira do fogão, expressei o meu espanto, iniciando uma série de questionamentos, próprios de uma mãe preocupada: “… mas, por qual motivo?… E a proteína = carne, e o cálcio = leite? (essa é clássica!); isso não é exagero? Apressei-me, então, em expor meus estranhamentos quanto àquela “postura radical”.

Ao narrar pequenos detalhes do que assistira, meu filho convenceu-me, imediatamente, de que algo estava errado. Nessa época tínhamos o Pug, um poodle que conviveu conosco por 15 anos, que facilitou compreender que, assim como ele, os outros animais (vaca, boi, porco, galinha, macaco etc.) também sentem medo, dor, prezam pela liberdade e lutam pela própria sobrevivência. Esse foi então o primeiro conceito-chave que aprendi, ainda ali, à beira do fogão: os animais são seres sencientes. Feita essa conexão, foi fácil entender outro conceito-chave: especismo. Nossa forma de pensar, muito bem sedimentada pela nossa educação, religião e cultura, está formatada para colocar o animal humano em uma escala superior a todas as outras espécies. Agimos, legitimados por essas instituições, como se fôssemos portadores de uma senha, que para nós, humanos, torna tudo permitido, lícito e possível de fazer aos animais não-humanos.

Com a apropriação desses dois conceitos fundamentais, a compreensão e o engajamento nessa grande causa constituíram-se, então, em uma conduta desafiadora. Ao contrário daqueles que iniciam uma caminhada com tempo e destino certos, não sabia para onde estava indo, não tinha bagagem, roteiro e nem sabia se teria ou não acompanhantes. Essa tomada de decisão, que se iniciou com a recusa de ingerir qualquer coisa de origem animal, chamou não só a atenção dos familiares e amigos, como atraiu inúmeros questionamentos de ordem social, cultural, nutricional, religiosa, ética e moral, educacional, dentre outros. Não tinha resposta para tudo, mas cada pergunta se transformava em desafio e incentivo para estudos, leituras e conversas à beira do fogão. A privação de alguns alimentos fortaleceu a minha vontade de buscar alternativas, provar alimentos novos e fazer novas combinações. Digo sempre, que ao contrário do meu filho que se tornou vegano da noite para o dia, no meu caso, as mudanças vieram na proporção que aumentava o meu conhecimento sobre os diversos assuntos que envolviam a questão.

Tenho consciência plena de que sou apenas uma poeira de areia numa imensa praia, ou mesmo, uma pequena estrela na imensidão do céu. Não importa se a minha atitude hoje não irá provocar mudanças no destino dos bilhões de animais mortos anualmente pela indústria ou que são torturados nos laboratórios de pesquisas. Retomo aqui o que diz o sociólogo alemão Norbert Elias¹ (1994, p.48), que nenhuma pessoa isolada, “por maior que seja sua estatura, poderosa a sua vontade, penetrante a sua inteligência (…), pode transformar sua sociedade, de um só golpe”. Mas também é desse autor, estudioso dos processos históricos na longa duração, a ideia de que a preparação do terreno para as mudanças estruturais são oriundas das pequenas tensões e das “pressões exercidas por pessoas vivas sobre pessoas vivas” aqui e acolá, no pequeno e no miúdo das relações. Ou seja, é no continuum de seres humanos interdependentes, que nós, como uma sociedade de indivíduos, caminhamos.

¹ELIAS, Norbert. A Sociedade dos Indivíduos: Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed.,1994.


Você viu?

Escute Foto: Instagram @saminthewild_

Escute Pixabay O aquecimento

Escute Pixabay Os guepardos

Escute Shutterstock Fernanda* tem

Escute Divulgação A grande

Pixabay Líderes mundiais estão

Pixabay Fornando Tortato normalmente

Ativistas em defesa dos

Lincoln e seu amigo

Escute Pixabay Uma superenzima


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

__CONFIG_colors_palette__{"active_palette":0,"config":{"colors":{"cf6ff":{"name":"Main Color","parent":-1},"73c8d":{"name":"Dark Accent","parent":"cf6ff"}},"gradients":[]},"palettes":[{"name":"Default","value":{"colors":{"cf6ff":{"val":"rgb(243, 243, 243)","hsl":{"h":0,"s":0.01,"l":0.95}},"73c8d":{"val":"rgb(217, 216, 216)","hsl_parent_dependency":{"h":1,"l":0.85,"s":-0.05}}},"gradients":[]}}]}__CONFIG_colors_palette__
OK
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
>