Macacos de cara chata são registrados pela 1ª vez, em Mianmar


Pesquisadores registraram as primeiras imagens dos macaco de cara chata em Mianmar (Foto: EFE)

Uma equipe internacional de primatólogos conseguiu capturar as primeiras imagens de uma nova espécie de macaco de cara chata, a qual foi descoberta há dois anos no norte de Mianmar e deve contar com menos de 330 animais. “Trata-se dos primeiros testemunhos do animal em seu habitat natural”, destacou o biólogo birmanês Ngwe Lwin, da Associação de Conservação da Natureza e a Biodiversidade de Mianmar, durante a apresentação das fotos.

Este trabalho de mapeamento de espécie também contou a participação das organizações Fauna & Flora International, a Biodiversity and Nature Conservation Association e a People Resources and Conservation Foundation. Jeremy Holden, que coordenou a colocação das câmaras, indicou que não foi um trabalho simples, já que tiveram que enfrentar as nevadas de janeiro e as persistentes precipitações de abril. As dificuldades eram ainda maiores pelo fato dos especialistas desconhecerem o lugar exato onde habitava a comunidade de macacos de cara chata descoberta em 2010.

A espécie, batizada de Rhinopitecus strykeri, se destaca ao apresentar uma pelagem inteiramente negra e caudas “relativamente” longas, que equivalem a uma vez e meia o tamanho de seu próprio corpo. Embora a espécie seja nova para a ciência, o macaco de cara chata é conhecido pelos caçadores da região, que afirmam que o “nwoah” (no idioma local) é relativamente fácil de ser encontrado, já que o animal começa a espirrar quando chove.

Para evitar a entrada de água de chuva no nariz, estes símios costumam passar os dias chuvosos sentados com a cabeça entre os joelhos. Já nos meses de verão, entre maio e outubro, os macacos vivem nas montanhas e só descem no inverno, quando a comida começa a faltar.

O primatólogo Frank Momberg, da Fauna & Flora International, se reuniu com vários caçadores locais e descobriu que entre 260 e 330 animais da espécie se concentram em uma área de 270 km² nas margens do rio Maw, situado no estado de Kachin, no nordeste de Mianmar. Os macacos encontrados vivem isolados devido às características de Kachin, o qual conta com duas barreiras naturais, os rios Mekong e Salween.

Na China e no Vietnã existem algumas espécies de macacos de cara chata. Porém, esta é a primeira vez que a comunidade científica internacional consegue localizar o animal em Mianmar.

Fonte: Terra


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PESQUISA

APELO

RECOMEÇO

BARBÁRIE

SEGUNDA CHANCE

INSPIRAÇÃO

DESCARTE IRRESPONSÁVEL

BOA AÇÃO

CHINA

HEROÍNA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>