Vigilância investiga se 13 macacos morreram envenenados em Cuiabá


Foto: Reprodução/G1

A Vgilância Epidemiológica de Cuiabá (MT) confirmou que está investigando se a causa da morte de 13 macacos pode ter sido por envenenamento. As mortes ocorreram em menos de uma semana e foram os moradores que encontraram os animais mortos.

As mortes são investigadas pela Secretaria estadual de Saúde como febre amarela silvestre, mas o morador que encontrou a maior parte dos macacos afirma que eles podem ter morrido por envenenamento. Um representante da vigilância epidemiológica confirmou que a hipótese de envenenamento também está sendo investigada.

De acordo com o morador Wilson de Souza Reis, há anos os animais apareciam diariamente para buscar alimentos. Ele busca respostas para a morte dos macacos. “No meu ponto de vista, pelo o que aconteceu aqui e que eu vi, acho que é veneno de rato”, contou.

O morador ainda recordou como encontrou o primeiro macaco morto no quintal de casa. “O macaco estava se debatendo debaixo da árvore. Eu peguei ele, dei água, mas ele morreu rapidinho. E nos dias seguintes também apareciam 2 ou 3 animais que morriam em seguida”, explicou.

A situação trouxe o alerta para a possibilidade de um surto de febre amarela, já que o macaco pode ser infectado pelo mosquito que transmite a doença ao ser humano. De acordo com a Secretaria de Saúde de Cuiabá, o material coletado dos macacos mortos já foi encaminhado para análise em um laboratório que fica no estado do Pará.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DADOS ALARMANTES

MAUS-TRATOS

DESMONTE AMBIENTAL

ZOOFILIA

RÚSSIA

FINAL FELIZ

CRUELDADE

CRISE ECONÔMICA

SINERGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>