Cetas: conheça o trabalho desenvolvido com animais silvestres no Ibama de AL


Animais que chegam ao Cetas passam por uma período de adaptação nos viveiros do Centro e depois são reinseridos na natureza. Foto: Migel Goes

Papagaio, pássaros, macacos, cobras, saguis, quati, ariranha, cuíca, raposa, pinguim, gaviões, tucanos, corujas, preguiça, enfim, essa infinidade de animais pode ser encontrada no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), localizado na sede do Ibama/AL, no Farol. A visitação não é permitida. O local atua apenas como um ‘centro de recuperação’ para os animais e, por falta de recursos, espaço e profissionais, os animais chegam, passam por tratamento, adaptação e os que podem voltar à natureza, são reinceridos, e os que não sobrevivem mais sozinhos, são encaminhados a Criadouros Conservacionistas licenciados pelo órgão.

Os animais chegam ao Cetas através, geralmente, de apreensões feitas pelo próprio Ibama, ou feitas pelo Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA). Segundo o Ibama, a demanda é tão grande que o órgão não tem o suporte para atender, por isso conta com apoio de entidades como o BPA.

O Cetas fica localizado na sede do Ibama/AL, por uma série de dificuldades, o local não é aberto para visitação. Foto: Miguel Goes

“O Ibama mesmo só trabalha através de denúncias, nós não temos profissionais suficiente para realizar fiscalizações periódicas. Mas o BPA realiza operações frequentes e trás os animais apreendidos para serem tratados aqui no Cetas, depois nós o reintroduzimos na natureza”, disse Rogério Correia, técnico do Centro de Triagem.

Geralmente, os anmais chegam atraves dessas operações, mas casos como maus-tratos, animais que são encontrados em área urbana, atropelados, também podem ser encontrados no Cetas.

“O número de ‘vizinhos com animais sem licença’, maus-tratos, atropelamentos, também são uma infinidades”, disse Rogério. “Temos uma preguiça que foi atropelada no interior, que precisa de todo um cuidado especial. Ela não estava se movimentando. Passou por cirurgia por conta dos ferimentos. Ainda esta com a cabeça ferida, a pata também. Agora ela já está melhorando, já começou a se alimentar. Tem que ter um cuidado especial, é como se fosse um bebê”, disse Jayane Laurentino, estudante de medicina veterinária e estagiária do Cetas.

Estagiária cuida da recuperação da preguiça. Foto: Miguel Góes
Foto: Miguel Goes

Dificuldades

O local onde funciona o Centro de Triagem de Animais Silvestre tem cerca de 6 anos de existência e foi criado com recursos de compensação por parte da Petrobras, desde então, não houve mais qualquer tipo de reforma no local. As grades dos viveiros já estão enferrujadas, o local já é considerado pequeno para o número de animais que chegam ao Cetas diariamente e o número de funcionários também já não é insuficiente.

animais chegam muito machucados. Foto: Miguel Góes

“O Ibama mesmo não disponibiliza recursos para essa causa, mas já estamos batalhando recursos de compensação por parte de empresas que poluem o meio ambiente. Funciona mais ou menos assim: Já que tem que poluir, nada mais justo do que compensar essa poluição”, disse a assessoria do órgão explicando que toda empresa que polui o meio ambiente, mesmo que de forma legal, tem que disponibilizar uma quantia do seu orçamento para projetos ambientais.

Segundo o órgão, o número de servidores também já não é o suficiente, por isso as atividades de fiscalização do Ibama/Al, são limitadas. Ainda de acordo com o Ibama/AL, desde 1989, quando o órgão foi criado, era estimado que se tivesse 5.000 funcionários, mas até hoje, 22 anos depois, o órgão não sabe irnformar se chegou a esse número e se chegou, já não é mais o mesmo, já que cerca de 40% dos servidores já se aposentaram.

Foto: Miguel Góes

O Centro Universitário CESMAC é parceiro de trabalho do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) no tratamento desses animais silvestre. Contado com a Clínica Escola de Medicina Veterinária do Cesmac, todos os animais do Cetas que precisam passar por cirurgia, são encaminhados aos veterinários do Cesmac que realizam o procedimento.

Alagoas não conta com um parque público, mas Cesmac tem o seu próprio parque dentro da Clínica Escola, em Marechal Deodoro. Disponibilizando de mais recursos, a Faculdade construiu, com autorização do Ibama/AL, um centro muito mais espaçoso e moderno que, coordenado por profissionais, serve como laboratório para os seus estudantes.

“O Cesmac pediu a licença ao Ibama que exigiu mil e uma coisas. É muito complicado conseguir a licença, mas tudo que o Ibama pediu pra eles [Cesmac] foi feito em dobro”, garantiu o Ibama.

Detalhe importante é que o Zoológico do Cesmac é aberto para a visitação. Basta que se peça uma autorização, que a faculdade abre as portas.

 

Foto: Miguel Góes

Apreensão do PF

A última apreensão realizada pelo Ibama/AL aconteceu na Operação ‘Rodoleiro’ deflagrada pela Polícia Federal, onde as investigações contra desvios de recursos federais e fraudes no imposto de renda levaram a um haras que funcionava para lavagem de dinheiro e lá encontram cerca de 50 pássaros da fauna silvestre, criados sem a autorização legal do Ibama.

“Eles estão sendo tratados nas gaiolas, depois serão soltos no viveiro do Cetas onde vão passar por um período de adaptação. Em um prazo de mais ou menos 40 dias, eles serão reinceridos na natureza”, garantiu o técnico do Cetas.

Segundo Ibama/AL, além dos pássaros, a Polícia Federal também encontrou 69 galos de briga que são ilegais no Estado e tiveram que ser sacrificados depois que exames comprovaram a utilização de substâncias no animais.

“Eles tiveram que ser sacrificados por conta do anabolizante que já estava em seu organismo. Os animais são fortes e só brigavam e por isso não tínhamos alternativa”, disse a assessoria do órgão.

Sobre as medidas cabíveis à punição dos culpados pela prática de rinhas de galo, o Ibama/AL garantiu ter deixado a cargo Ministério Público Federal.

Papagaios sem licenças. Foto: Miguel Góes

“A prática é ilegal aqui no Estado, mas a PF e MPF estão tomando as providências cabíveis. Os animais vieram da Paraíba até Alagoas, em caixas transportadas pela empresa GOL – Linhas Aéreas, e a empresa também será autuada, mas o Ibama deixou nas mãos do Ministério Público”, garantiu.

Veja mais fotos.

Fonte: Primeira Edição


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VÍTIMAS DA CAÇA

MAUS-TRATOS

RECONHECIMENTO

PRESERVAÇÃO

VAQUINHA ON-LINE

FINAL FELIZ

LEALDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>