Companhia aérea americana cria o primeiro avião exclusivo para animais domésticos


Comissárias de bordo são supervisionadas por uma equipe de cinco veterinários para dar todo o suporte aos "passageiros". Foto: R7

No lugar das poltronas de avião, gaiolas confortáveis para o seu animal e mimos das comissárias de bordo, que incluem água fresca de 15 em 15 minutos, ração e ar-condicionado.

Pode parecer brincadeira, mas uma companhia aérea americana criou o primeiro avião exclusivamente de animais onde o tutor, acredite se quiser, não entra.

O transporte de animais foi questionado no Brasil quando um pug morreu de parada cardiorespiratória durante uma viagem de São Paulo à Vitória nesta semana passada. O ocorrido aconteceu na última terça-feira (13), após o cão ter ficado mais de 10 horas trancado em um local fechado durante o voo da empresa Gol Linhas Aéreas, que teria atrasado no embarque.

Operando em nove aeroportos nos Estados Unidos, a Pet Airways é uma alternativa aos tutores dos animais que têm pena de deixar os animais nas tradicionais gaiolas dos compartimentos de carga dos aviões.

Os aviões operados pela companhia são Beechcraft 1900, com turbo-hélice, utilizados em voos comerciais em outras empresas, como a US Air Continental. A diferença está na retirada das poltronas comuns para as gaiolas individuais.

Os mimos começam logo no check in, com um “Pet Lounge” exclusivo para eles. O tutor pode deixar o animal na coleira até a hora do embarque – quando ele é colocado em uma gaiola com água e algum objeto do tutor (como uma camiseta velha, por exemplo). O objetivo é tirar o máximo de carga de estresse do animal para que ele não se sinta abandonado.

Durante a viagem, os “papais e mamães” dos animais podem acompanhar o animal por vídeos na internet e também e-mails e mensagem de texto. Na chegada, nada de colocar o bicho na esteira. Os atendentes levam o animal na gaiola até o tutor.

Documentos obrigatórios

Para poder viajar, os tutores de cães precisam apresentar os exames do animal, tais como vacina anti-rábica, cinomose, hepatite, leptospirose e um exame negativo que o animal tenha algum problema fecal (14 dias antes da viagem). Caso seja positivo, o tutor precisa apresentar a medicação que o animal esteja usando no tratamento.

Entre as vacinas que os proprietários de gatos precisam apresentar estão anti-rábica, pneumonia, além do teste de fezes. Os filhotes precisam estar vacinados e ter uma autorização do veterinário para viajar.

Venda de passagens

Se as vacinas do animal estão todas em dia, é hora de comprar a passagem. A venda é feita pela internet e o valor varia de acordo com o trecho, podem custar de R$ 200 a até R$ 500 (entre US$ 100 a US$ 250) – um valor bem semelhante aos praticados nos trechos domésticos no Brasil.

É preciso informar o peso, altura, idade e raça do animal antes de comprar a passagem, já que é a própria companhia aérea que oferece as caixinhas de transporte (espécie de gaiola para o animal ser transportado).

Quem possui um animal mais agitado, que costuma latir quando fica sozinho, deve informar a companhia no ato da compra da passagem. A companhia não permite que o animal seja sedado ou tome qualquer tipo de medicação tranquilizante.

Fonte: R7


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TECNOLOGIA

DESUMANIDADE

ACOLHIMENTO

EFICIÊNCIA

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO

SOFRIMENTO EMOCIONAL

DOÇURA

AÇÃO HUMANA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>