Aleluia Heringer - Plataforma Terráqueos

Animal cativo não é educativo: uma breve reflexão

“Toda educação é educação ambiental (…) com a qual por inclusão ou exclusão ensinamos aos jovens que somos parte integral ou separada do mundo natural.”
(David W. Orr)

Qual o propósito de um viveiro dentro de uma escola? Em que medida essa presença educa? Como o conteúdo desse “currículo oculto” interfere na percepção e sensibilidade de nossas crianças e jovens? Essas são algumas perguntas que fiz a mim mesma quando assumi a direção de uma escola, em cujo o pátio central havia um viveiro com pássaros e tartarugas pequenas.

Tais indagações se tornam bastante pertinentes se consideramos, por exemplo, o que escreve Escolano (2001) em Currículo, Espaço e subjetividade. Para esse autor, o espaço escolar tem de ser analisado como uma construção cultural que “expressa e reflete, para além de sua materialidade, determinados discursos”. Nessa perspectiva, todo espaço educa, forma e situa. Retomo, então, a questão: a existência do viveiro educa para quê?

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Em princípio, o pássaro cativo, usado como entretenimento, está ali para apreciarmos e admirarmos a sua beleza e as suas formas. Entretanto, esse capricho ou ato singelo alimenta um sistema perverso que retira o pássaro do seu habitat natural, sendo que muitos deles morrem no momento da captura. No transporte, são amontoados em caixas escuras com ventilação precária ou então em gaiolas apertadas, contendo dezenas deles. Já não falamos, então, de pássaros, mas de “produtos” que irão alimentar os mercados (centrais ou não!). Somos, portanto, cúmplices e incentivadores desse sistema que inclui, dentre outras coisas, o tráfico de animais silvestres. Emitimos sinais para esse “mercado” de que vale a pena continuar no ramo.

Na contramão dessa lógica, os pássaros poderiam encontrar, em nossas escolas, as árvores e o ambiente de acolhimento para que pudessem fazer sua morada. As crianças poderiam acompanhar seus voos, o trabalho da construção dos ninhos, o tempo de “chocar”, o cuidado da mãe passarinho e o voo dos seus filhotes. Ou seja,  o ciclo da vida, repleto de ensinamentos, respeito e beleza, é que deveria ter lugar nas escolas.

Esse estranhamento ou questionamento vem ganhando força e é parte de uma “nova” sensibilidade ética, moral, espiritual e ambiental, acelerada pelas respostas que a natureza vem dando diante dos (ab)usos do Homo sapiens. O ser humano revisita sua condição de centro do universo e incorpora outros princípios, tais como a interdependência entre todos os humanos, não humanos e a natureza. Portanto, com essa percepção sistêmica da vida, iremos rever outras tantas práticas presentes em nossa cultura, em nossa própria vida e em nossas escolas. Não mais acredito que “o que mais vale é um pássaro na mão”, mas sim, todos eles livremente voando. Vamos juntos, pois “uma andorinha só” não faz verão.

10 COMENTÁRIOS

  1. Muito boa sua reflexao! É muito bom saber que somos muitos os que pensamos e nos preocupamos pelos animais.Gostei muito do site tambem. Abraço

  2. Muito oportuno esse artigo.E triste vermos o que esta acontecendo com as aves. Alem de uma cultura perversa em que algumas possoas usam essas pobres criaturas como objeto de exibição presas em terriveis gaiolas vem a ambição desmedida de pessoas ligadas ao agro negocio e á pecuaria e destroem nossas arvores morada de especies tão variadas de aves ,dai elas migram para oa centros urbanos, e dai acontace o pior para elas .Pois com ceteza não é o seu habitat. Obrigada por tão importante artigo.

  3. DE UMA vez, mostrou no mesmos texto claro, didático e inteligente duas coisas:
    1 – Que o espaço destinado à educação, muitas vezes deseduca.
    2 – Que temos alguns provérbios, refletores da nossas atitude especista, estremamente maus.
    “MAIS vale um passaro na mão do que três voando” é um dos mais claros em mostrar como o especismo inverte valores.
    LEIO todos os artigos de todos os autores da ANDA.
    GOSTEI muito deste da Haleluia, pela concisão e elegância, estou esperando mais.

  4. Concordo plenamente. As pessoas acham que o pássaro está super feliz no “viveiro” porque está cantando. Me lembrou daquela frase “O pássaro não canta porque é feliz, é feliz porque canta”. Cada um enxerga a realidade como bem deseja.

  5. Cara autor,
    Psicologicamente falando, o ato de ter árvores em uma determinada instituições de ensino e o fato de que ali sempre a reformas e estas árvores terem que ser cortadas um determinado dia, como observei durate toda a minha vida durante minha formação, nao influenciará em minha formação futura. Pelo menos até onde me recordo nenhum de meus colegas e conhecidos nao se tornaram lenhadores.
    Realmente um viveiro em um ambiente escolar, sem justificativa e um projeto adequado de educação ambiental nao faz sentido, mas nao é esse viveiro que irá forma futuros extrativista de fauna silvestre como o sr. mesmo expõe. Tal comportamento indesejável advém da educação urbana, de amigos e principalmente de influência familiar, sendo papel da escola educar este comportamento nao sensurando como sugere, mas sim expondo e educando.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui