Defensores dos animais buscam sobreviventes na área do desastre no Japão


Por Daniel Marques  (da Redação)

Foto: ASSOCIATED PRESS/KYODO NEWS

Quando cerca de 80 mil pessoas foram orientadas a fugir das explosões nos reatores nucleares atingidos de Fukushima, em março, muitos deixaram seus animais em casa, achando que voltariam em breve para buscá-los.

No entanto, dois meses depois, milhares de animais ainda estão lá, morrendo de fome, sendo sacrificados ou à espera de seus tutores para voltar para casa, em uma área isolada pelo governo.

Vestindo roupas de proteção e máscaras, Makomi Tsuruta, um socorrista de cães, entrou na zona de perigo, perto da fábrica, há algumas semanas com um contador Geiger, alimentos e gaiolas para resgatar sete gatos. Ela estava agindo a pedido do tutor dos felinos, um agricultor chamado Sr. O-uchi, que vive em um abrigo de evacuação.

“Eu não estava assustada, mas os animais estavam”, disse.

Segundo informações do jornal The Washington Times, os gatos estavam com sarna e famintos e alguns outros gatos ainda se alimentam de carcaças de animais mortos, incluindo outros gatos, ela diz.

Depois de verificar a radiação e lavá-los, ela os enviou para serem vacinados por um veterinário. Ela levou os sete gatos para se juntarem a outros 23 felinos que já vivem em sua casa na província de Ibaraki, ao sul de Fukushima.

Desorientados, os sete gatos resgatados agora estão comendo e se integrando a seus 23 novos amigos, ela disse.

Sra. Tsuruta, membro de um dos cerca de 70 grupos de bem-estar animal no Japão, disse que gostaria de voltar para resgatar alguns dos cerca de 5.000 cães e gatos deixados na zona de radiação, além de milhares de cavalos, vacas, porcos, galinhas e outros animais.

Mas o governo já isolou a área desde 22 de abril, e só entram ônibus com pequenos grupos de moradores evacuados, em rápidas viagens para coletar álbuns de fotos, laptops e outros objetos de valor em pequenos sacos de plástico.

“Queremos que o governo nos dê  mais acesso à área para que possamos proporcionar mais abrigos para os animais”, disse Sra. Tsuruta, em um protesto de cerca de 500 ativistas da proteção animal no distrito comercial de Shibuya em Tóquio.

“É muito difícil encontrar abrigos no Japão para animais vindos da zona nuclear “.

Ela e outras equipes de resgate, também querem que a Tokyo Electric Power Company, que opera os reatores atingidos de Fukushima, reembolse os custos dos resgates dos animais atingidos.

“Estamos mantendo os pedidos”, disse ela. “Estamos aguardando a resposta. Mas não temos certeza se eles são sinceros sobre o que nos dão como uma resposta. ”

Desde 11 de março, os desastres deixaram milhares de animais abandonados em torno da planta nuclear, ativistas dos direitos animais no Japão se uniram para formar um grupo de lobby vocal.

Omissão do governo

“Muitas pessoas querem salvar esses animais, mas o governo não quer dar-lhes permissão. É realmente horrível “, disse Akiko Fujimura, líder da  Sociedade Japonesa para a Prevenção da Crueldade aos Animais.

“Se os animais têm elementos radioativos em sua pele, não é nenhum problema lavá-los do lado de fora. Acho que o governo basicamente não se importa com os animais. ”

Sra. Fujimura disse que está preocupada com muitos animais que irão morrer de fome e   especialmente, quando o calor do verão começar a subir.

Como muitos ativistas, Sra. Fujimura está temporariamente cuidando de um animal, enquanto seu tutor dorme em um centro de evacuação lotado.

Seu novo amigo, um Shi Tsu, chamado “Ringo-chan”, estava tremendo de medo quando a Sra. Fujimura a trouxe para casa para se juntar a seus dois outros cães.

“Ela não comia há cerca de cinco dias. Estava muito assustada e confusa. Mas agora que ela está relaxada e comendo, ela vai ficar bem. Ouvi dizer que acontece o mesmo com todos os outros cães resgatados “, disse a Sra. Fujimura.

A maioria dos socorristas voluntários, incluindo um número crescente de estrangeiros no Japão e no exterior, estão gastando muito tempo em telefones e na internet  buscando angariar fundos, encontrar abrigos ou tentando encontrar os tutores dos animais.

Sra. Fujimura, disse que a Sociedade Japonesa para a Prevenção da Crueldade aos Animais recebeu mais doações em dinheiro para comprar comida para animais domésticos, gaiolas e outros equipamentos dos Estados Unidos e da Europa, do que dentro do Japão.

Katrina Larsen, uma moradora de Tóquio, vinda da Austrália, disse que um grupo de socorristas está alugando a casa de um amigo dos animais, em Fukushima, a fim de estar mais perto da zona de desastre.

No entanto, pouco pode ser feito já que o governo continua a bloquear a entrada em um raio de 20 km em torno dos reatores nucleares.

Com abrigos lotados no Japão, a Sra. Fujimura disse que espera que mais japoneses adotem animais. Os japoneses já possuem, em média,  um animal de estimação para cada quatro pessoas. Disse ela.

“Quando muitas pessoas fugiram do tsunami ou das explosões nucleares, deixaram seus animais fugirem por conta própria”, disse ela.

“Mas eles são animais leais e domésticos, e não animais selvagens. Eles estão esperando seus tutores para voltarem para casa. “


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AMOR

RIO DE JANEIRO

ALTERNATIVA VEGANA

GENEROSIDADE

REABILITAÇÃO

EMPATIA

RECEPÇÃO

FINAL FELIZ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>