Homem é multado em R$ 48 mil sob acusação de maltratar animais, em Bauru (SP)


Uma denúncia anônima levou uma equipe da Polícia Militar Ambiental de Bauru, interior de São Paulo, a um possível ponto de venda de animais silvestres e aves exóticas. No local, que fica na rua João Pedro Vitório Filho, 2-94, Parque Giansante,  havia 27 jabutis e quatro cágados soltos no quintal e mais 65 aves – entre elas 15 canários do reino, sete manons, 21 pombas, três calopsitas, quatro tuins, 14 periquitos australianos e uma maritaca em condições precárias de cativeiro. O “tutor” dos animais foi multado em R$ 48 mil por duas acusações.

Entre as aves, muitos periquitos. Foto: sem crédito

De acordo com o soldado Luiz Antônio Costa Martins, apenas uma denúncia foi suficiente para o deslocamento da equipe. “O denunciante apontou que ali funcionava um local de comércio de animais silvestres e que muitos estariam sob maus-tratos. Então fomos até o local e, com a autorização da moradora, entramos e verificamos os animais”, contou.

K.R.R.L., 37 anos, que estava sozinha na residência, afirmou aos policiais que os animais são de seu marido. No entanto, a quantidade assustou os PMs.

“Ela disse que o marido gosta muito de animais e que foi ganhando as aves das pessoas e resolveu criá-las”, relatou o policial.

Os pássaros demonstravam apatia. Estavam em gaiolas pequenas, sem água e com comida armazenada de forma inadequada. Assustados e sem forças, eles nem sequer se debatiam dentro da gaiola ou tentavam abrir as asas. Algumas pombas estavam sem penas.

Os passarinhos estavam visilmente maltratados. Foto: sem crédito

Segundo o soldado Costa, os jabutis e cágados estavam soltos pelo quintal sem nenhum cuidado específico. Todas as aves surpreendentemente estavam em um quarto pequeno, úmido e sem iluminação, evidenciando as más condições em que eram mantidas.

As aves, os jabutis e os cágados foram apreendidos pelos policiais e levados ao 1º Distrito Policial (DP) de Bauru, onde também funciona o DP de Crimes Ambientais da cidade. O “tutor” dos animais foi advertido administrativamente com duas multas distintas. Uma de R$ 15.500,00 por manter espécie silvestre em cativeiro e outra maior, de R$ 32.500,00, por maus-tratos.

Os jabutis foram encontrados no quintal. Foto: sem crédito

O delegado titular do 1º. DP, Dinair José da Silva, explica que a atitude do homem, que teve a identidade mantida em sigilo para não atrapalhar o andamento das investigações, foi enquadrada no artigo 29 da Lei de Crimes Ambientais, que entende como delito matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida.

O “tutor” dos animais, que não estava na residência no momento em que a PM Ambiental fez a apreensão, se apresentou ao distrito no final da tarde de ontem para prestar esclarecimentos. “O rapaz já se apresentou e nós vamos investigar se há mais pessoas envolvidas”, declarou Dinair.

Fonte:  Jornal da Cidade


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

MAUS-TRATOS

FELICIDADE

TRATAMENTO MÉDICO

PROGRESSO

GANÂNCIA

DESTRUIÇÃO AMBIENTAL

COREIA DO SUL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>