Primatas selvagens envelhecem de forma semelhante ao ser humano


Acreditava-se que o processo lento de envelhecimento do homem era próprio da espécie

Uma pesquisa com primatas selvagens mostrou que o processo de envelhecimento observado nos seres humanos não é próprio da espécie. A observação de 3 mil indivíduos concluiu que, embora o ser humano tenha acesso à medicina moderna e medicamentos, ele é atingido pelos problemas que chegam junto com a idade tanto quanto os outros. O motivo que leva à morte pode até ser diferente, mas o processo mais lento, que faz o risco aumentar com o passar dos anos, é semelhante para todas as espécies.

Muriqui brasileiro foi um dos primatas selvagens observados no estudo. (Foto: Divulgação/CI)

“Nós tínhamos boas razões para pensar que o processo de envelhecimento humano era único”, disse a coautora do estudo Anne Bronikowski, da Universidade Estadual de Iowa. “Os humanos vivem mais que muitos animais. Há algumas exceções, como papagaios, mas o homem é o primata que vive por mais tempo”.

A base de que os humanos envelheciam de forma diferente surgiu a partir de estudos anteriores feitos com animais de vida curta, como camundongos. O estudo com os primatas selvagens, que será publicado na edição desta semana da revista Science, quer mudar esta percepção.

“Os humanos vivem por muitos anos além da idade de reprodução”, disse Bronikowski. “Se fôssemos como outros mamíferos começaríamos a morrer rapidamente depois de atingirmos a meia idade, mas não morremos”, explicou a pesquisadora.

“Existe este argumento na ciência de que o envelhecimento humano tinha características únicas, mas nós não tínhamos dados do envelhecimento em primatas selvagens, além dos chimpanzés, até recentemente”, disse a coautora do estudo Susan Alberts, bióloga da Universidade Duke, que fica na Carolina do Norte, Estados Unidos.

As espécies de primatas observadas foram os macacos capuchinhos da Costa Rica, o muriqui do Brasil, babuínos e macacos azuis do Quênia, chimpanzés da Tanzânia, gorilas de Ruanda e lêmures de Madagáscar. O estudo não focou o declínio da saúde ou da fertilidade, mas se preocupou em observar o risco de morte com o avanço da idade.

Outro dado coletado durante a pesquisa mostrou que o envelhecimento dos machos monogâmicos é parecido com o de suas fêmeas. Nos demais, ou seja, naqueles que têm mais de uma parceira durante a vida, o estresse causado pela competição para o acasalamento seria fator importante para explicar o envelhecimento mais acelerado entre os machos.

Fonte: Estadão


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

BOA AÇÃO

CHINA

HEROÍNA

FINAL FELIZ

PAUTA EMERGENCIAL

SOLIDARIEDADE

GESTO DE AMOR


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>