Ativistas libertam 400 animais que seriam mortos pela indústria de peles


Por Giovanna Chinellato  (da Redação)

Imagem ilustrativa: s/c

Em 2006, Scott DeMuth e outros ativistas invadiram a Lakeside Ferrets, uma fazenda de minks em Minnesota, nos EUA, e libertaram 400 animais de uma vida em confinamento e morte dolorosa. Agora, Scott DeMuth foi condenado há seis meses de prisão, mas a fazenda fechou para sempre, privando centenas de minks de muito mais que seis meses engaiolados.

Segundo informações do site The Voice of the Voiceless, o promotor Clifford Cronk confirmou que a fazenda fechou por não conseguir se recuperar dessa invasão. A antiga Latzig Mink Rach já havia sido invadida dez anos antes, em 1996, e pouco depois mudou o nome para Lakeside Ferrets, o que, obviamente, não foi suficiente para afastar os ativistas da ALF.

DeMuth foi pego pelo FBI por estar ligado a protestos da RNC. Em seu computador, os oficiais encontraram imagens do Google Earth com as coordenadas da fazenda e uma cópia do comunicado da ALF enviado à imprensa. Um acordo com os promotores garantiu-lhe imunidade à invasão da Universidade de Iowa, em que ele ajudou a libertar 401 animais, e seis meses de prisão pela invasão da Lakeside Ferrets.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CALIFÓRNIA

ANGÚSTIA

COMPANHIA

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>