SP tem mais de 50 pontos para a observação de aves


Lista mostra parques e bairros onde é possível encontrar espécies.
Praticantes de birdwatching se surpreendem com as aves no Ibirapuera.

Apesar da poluição, dos arranha-céus e dos ruídos causados por motores, sirenes e buzinas, a cidade de São Paulo abriga mais de 50 “oásis verdes” onde é possível observar aves. Espécies mais simples, como sabiás e bem-te-vis, e incomuns, como araras e cardeais, podem ser vistas em liberdade, se alimentando e cantando em parques, praças e bairros arborizados.

Duas maracanãs-pequenas em árvore no Ibirapuera. Foto: Paulo Toledo Piza/G1

O Parque Ibirapuera, o mais famoso da capital paulista, é uma dessas áreas. Praticantes de birdwatching (como é conhecida a observação de aves) podem se surpreender com a diversidade de animais. “Aqui tem mais de cem espécies”, diz o biólogo René Santos, de 31 anos.

Iniciante no hobby, o também biólogo Rodrigo Gessulli, de 32 anos, ressalta os benefícios da prática. “Você faz exercício, conhece lugares verdes. E é recomendado para pessoas de todas as idades.”

Durante caminhada pelas alamedas do parque na manhã de sexta-feira (4), Santos e Gessulli se empolgavam a cada ave observada. “Mas não basta ver. É preciso ficar atento com a vocalização. Mais de 95% das aves são identificadas pelo som que fazem.”

Atenção, silêncio e paciência são obrigatórios para os praticantes que querem ter êxito no hobby. Há quem aguarde mais de uma hora, imóvel, apenas para ter a chance de olhar uma ave rara. A vestimenta é outro fator que deve ser levado em consideração. “Tem que usar roupas de cores mais próximas da mata, como esverdeadas e de tom marrom”, diz o guia profissional Gilberto Teixeira Rodrigues, de 33 anos.

Os equipamentos sugeridos são binóculos, livros com descrição dos animais e gravador de som. Para atrair as aves, o praticante grava o som da vocalização do animal e o reproduz em seguida. Assim, um pássaro, como o bem-te-vi, ao ouvir a gravação do canto pensa que há outro de sua espécie na região e se aproxima do praticante de birdwatching.

Quem quiser fotografar os bichos deve evitar flash ao máximo, pois assusta as aves.

Biólogo Rodrigo Gessulli usa binóculo para observar aves. Foto: Paulo Toledo Piza/G1

Preservação

A prática do birdwatching é relativamente nova no Brasil. Apesar de o país ter mais de 1.800 espécies de aves catalogadas, segundo levantamento do Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos, apenas nos últimos anos a atividade passou a ganhar adeptos. “Antes, eram mais estrangeiros que procuravam. Mas a maioria continua vindo de outros países”, afirma o guia Rodrigues.

Para o biólogo Santos, que desde criança pratica a observação de aves, o birdwatching tem papel fundamental na educação ambiental. “Quando há uma espécie única em um vilarejo, por exemplo, o lugar passa a receber vários praticantes, que movimentam a economia.” Para não perder esse lucro, os moradores passam a valorizar os animais que vivem lá, impedindo a caça e preservando seus habitats.

Além do Ibirapuera, há áreas verdes em toda a cidade. Levantamento feito com base em dados das secretarias estadual e municipal do Meio Ambiente e do Centro de Estudos Ornitológicos mostra pontos em toda a cidade.

Veja a lista com os locais.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÓRFÃO

ARTIGO

DESACATO

GENTILEZA

DOR E SOFRIMENTO

EDUCAÇÃO

BENEFÍCIOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>