Curitiba: a “Capital Ecológica” e o dilema da guarda responsável de animais


Parte expressiva da população de Curitiba não tem feito jus à fama de “Capital Ecológica” que a cidade ganhou, mundo afora. Não pelo menos em relação aos seus animais domésticos. Boa parte dos moradores da cidade têm deixado seus cães e gatos de lado – literalmente. Não há dados oficiais recentes dimensionando a gravidade do problema, mas pesquisa feita pela Secretaria de Saúde de Curitiba, em parceria com a UFPR (Universidade Federal do Paraná), estima que há aproximadamente 236 mil animais domésticos perambulando pelas ruas da cidade, praticamente todos os dias.

Deste total, 222 mil (48%) são semidomiciliados (têm tutores, mas são maltratados ou criados livremente) e 14 mil são abandonados (3% do total). É bastante coisa. Não é outro o motivo pelo qual, percorrendo qualquer bairro da cidade, você acha facilmente cães e gatos andando pelas ruas. No total, estima-se que exista cerca de um animal – cães e gatos, em sua quase totalidade – para cada quatro pessoas em Curitiba. Considerando-se que a população da capital é de 1,85 milhão de pessoas (IBGE/2009), haveria então 463 mil cães e gatos na cidade.

É claro que este tipo de comportamento gera uma série de problemas. Para os animais, além da fome e das doenças, os ferimentos, as mortes violentas e a reprodução descontrolada. Para os seres humanos,  acidentes (atropelamentos de cães e gatos, com consequências variadas para as pessoas), ferimentos provocados por ataques de cães.

A Prefeitura de Curitiba está se empenhando para fazer a sua parte na solução do problema. Em abril do ano passado, lançou a Rede de Defesa e Proteção Animal, com três objetivos: melhorar a condição de vida da fauna da cidade, controlar a população de animais e estimular a guarda responsável. Por meio dela, os tutores podem cadastrar seus cães e gatos, informando dados como idade, raça, nome e endereço do responsável. O processo é fácil. Basta acessar o site http://www.protecaoanimal.curitiba.pr.gov.br.

Simultaneamente, a prefeitura implantou o sistema de microchips nos animais domésticos, que facilita a busca dos cães e gatos (no caso do seu desaparecimento) e do seu responsável (no caso de abandono desses animais).

Mas a população também precisa fazer a sua. O número de animais microchipados (cerca de mil) ainda é pequeno diante do total de cães e gatos da cidade, mesmo com o custo baixo do serviço (R$ 9). Muita gente continua descartando-os como sacos de lixo ou estimulando sua reprodução, sem nenhum critério.

Um conhecido meu, tutor de um vira-lata chamado Toco, contou que não gosta de criar o animal preso em casa. Solta-o com frequência na rua. “Ele já veio de lá. Não aguentaria viver preso em casa”, justificou. Da última escapadela do animal, contou ele, resultou uma ninhada de seis filhotes – fruto da cruza do Toco com uma vira-lata da vizinhança. Agora, mãe e os seis filhotes, todos vivem na rua. Nada a ver com a imagem de cidade ambientalmente correta que o mundo aprendeu a respeitar.

Fonte: Carta Capital


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VEGANISMO

PRESSÃO PÚBLICA

RESILIÊNCIA

RECOMEÇO

FINAL FELIZ

RECIFE (PE)

RECOMEÇO

CONSCIÊNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>