Novo partido, em Portugal, quer incentivar população a excluir carne da sua alimentação


Foto: Reprodução/PAN

A alteração dos hábitos alimentares dos portugueses, nomeadamente da carne, a comparticipação de medicinas alternativas e a criação de uma polícia para as questões animais são propostas do futuro programa político do Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN).

Os responsáveis do PAN, constituído este mês, apresentaram hoje em Lisboa a sua declaração de princípios e objetivos, que servirá de base ao programa político do partido, a aprovar no primeiro congresso, que deverá decorrer dentro de três meses.

“O PAN é um partido de causas, que abraça as três grandes causas – humanitária, animal e ecológico-ambiental -, considerando-as inseparáveis”, anunciou Paulo Borges, da comissão coordenadora do partido, que assume como um dos objetivos a luta contra “todas as formas de discriminação e violência contra os animais, combatendo o especismo como parente próximo do escravagismo, racismo, sexismo e classicismo”.

O novo partido quer consagrar na Constituição da República a “senciência dos animais (capacidade deste sentirem) e o seu direito à vida e ao bem-estar” e alterar o Código Civil, “onde são reduzidos ao estatuto de coisas”, e defende, para já, “uma efetiva aplicação da lei existente e a punição dos seus infratores”, propondo a criação de uma “unidade policial especificamente voltada para as questões animais”.

O partido sugere a realização de uma campanha educativa “no sentido da progressiva alteração dos hábitos alimentares dos portugueses, em particular o consumo de carne “, alertando para o impacto negativo da pecuária intensiva sobre a saúde pública e o ambiente, nomeadamente na desflorestação e maior emissão de gases que contribuem para o aquecimento global.

“Os animais são as grandes vítimas dessa aberração chamada indústria da carne, mas também somos todos nós, porque os animais que nós comemos são animais doentes”, afirmou Paulo Borges, acrescentando que, segundo “estatísticas recentes feitas nos Estados Unidos”, todo “o investimento de energia, de trabalho, de riqueza, de cereais e água que é feito para alimentar o gado bastaria para alimentar diretamente 800 milhões de pessoas”.

A redução das taxas sobre os produtos de origem natural, o aumento das taxas sobre os produtos da agropecuária intensiva, a obrigatoriedade de existência de opções vegetarianas nas escolas, cantinas públicas e restaurantes são outras propostas do PAN.

A proibição de “todos os espetáculos que causem sofrimento físico e psicológico aos animais” e a “abolição total da experimentação” em animais são outros princípios defendidos pelo PAN, que pretende ainda a existência de hospitais veterinários comparticipados, a reestruturação dos canis e gatis.

Fonte: iOnline


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SAÚDE

GOIÁS

NOVA JORNADA

HONG KONG

AFETO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>