Animais encontram saídas para lidar com a poluição sonora humana


Por Rose Eveleth
Tradução por Camila Arvoredo  (da Redação)

Está bem barulhento lá fora. Tudo batendo, correndo, sendo jogado fora e em construção; tudo isso faz com que o mundo se torne cada vez mais barulhento. Enquanto, nós humanos não nos importamos ou simplesmente colocamos protetores de ouvido – os animais estão lidando com este barulho das maneiras mais interessantes possíveis.

Segundo reportagem da “Scientific American” deste mês, todos os ambientes têm algum tipo de barulho. Mesmo antes das pessoas, os animais tinham que lidar com os sons do meio ambiente, como chuvas, rios, ondas, vento e chamados de outros animais. Entretanto, como em quase tudo que fazemos, os humanos apareceram e aumentaram drasticamente a quantidade de ruídos do meio.

Em terra, o barulho urbano vem das rodovias, caminhões, aeroportos e máquinas. Este barulho urbano ocupa tipicamente uma banda de baixa frequência, que se escoa do meio urbano e suburbano para o meio rural e áreas florestadas.

Mapa das principais rotas de navios do mundo. (Foto: “National Center for Ecological Analysis and Synthesis”)

No oceano, a navegação é responsável pela grande parte de barulho adicional, mas os ruídos antropogênicos também incluem explosões, torpedos, sonares e submarinos. Os explosivos são os mais barulhentos, girando ao redor de 304 decibéis, mas os motores dos navios geralmente emitem sons que giram em torno de 192 decibéis. Estes navios fazem barulhos de baixa frequência, entre 20-400 Hz e nesta baixa frequência, o ruído médio de muitos lugares tem aumentado.

As corujas são boas indicadoras de mau tempo. (Foto: K.-M. Hansche)

Como estes ruídos tem aumentado, os animais desenvolveram soluções inteligentes para lidar com eles – todavia a maior parte deles está adaptado para lidar com barulhos de curto impacto, como chuvas ou vento. Alguns simplesmente esperam até que o barulho passe: corujas, por exemplo, não se importam de se comunicar quando está chovendo; grilos de arbustos, os quais se comunicam frequentemente de noite, mudam os sons para uma sinfonia diurna, caso outros insetos estejam se comunicando por perto; passarinhos da espécie Chamea fasciata alternam seus chamados com outra espécie do gênero Chamea, esperando até que um pare de chamar, para que o outro comece.
Entretanto, diferentemente da chuva e do vento, muitos barulhos humanos demoram em se esgotar ou simplesmente não param. Nós somos bons em ser barulhentos em qualquer momento.

Assim, a reação mais comum ao barulho é simplesmente tentar ser mais barulhento. Humanos também fazem isso; você provavelmente chega em casa rouco depois de sair de uma festa, na qual gritou durante toda a noite para ser ouvido. Etienne Lombard foi o primeiro a descrever este fenômeno em 1911 e desde então, o efeito Lombard foi utilizado para descrever o aumento da amplitude dos chamados e vocalizações. O efeito Lombard foi observado nos relinchos de zebras, na codorniz japonesa, nos beija-flores de pescoço azul, em saguis, em baleias beluga, orcas, peixes-bois, humanos e muitas outras espécies.

Entretanto, o efeito Lombard só é útil quando se lida com barulhos de curto prazo. Ele demanda muita energia e pode causar danos nas cordas vocais ou em qualquer outro mecanismo que o animal esteja usando para produzir sons. Além disso, ele facilita a vida de predadores e parasitas para encontrar o animal.

As baleias possuem um dos sons mais famosos do mundo, mas eles estão mudando. (Foto: Akim Raschka)

Alguns animais optam simplesmente por chamar mais vezes do que comumente faziam. Quando expostos a baixas frequências, baleias aumentam o número de repetições nas suas frases. Os ruídos fazem com que as codornizes japonesas e os pinguins reais repitam seus chamados sem parar. Orcas tendem a alongar os seus chamados. Esta estratégia também demanda muita energia e pode diminuir a chance dos animais receptores de reconhecer o emissor.

Os sons desta baleia do Atlântico Norte são quase impossíveis de ouvir na presença de ruídos de navios. (Foto: NOAA)

Entre gritar sempre ou chamar infinitamente, alguns animais estão gradualmente mudando a frequência de seus chamados. A baleia do Atlântico Norte, por exemplo, usualmente mandam seus sinais sob frequência da ordem de 40-400 Hz, a qual é a mesma da banda de freqüência dos navios. Assim, para lidar com isso, as baleias primeiramente aumentaram a amplitude de seus chamados, tentando continuar a comunicação com outras baleias, durante períodos barulhentos. Eventualmente, entretanto, as baleias começaram a chamar em freqüências mais altas, tentando, com isso, escapar dos ruídos dos navios.

A mudança da frequência de chamados em resposta ao barulho urbano foi também observada nos tentilhões. Estudos passados demonstraram o mesmo fenômeno em macaco azuis e em saguis pigmeus.

Todavia, existem muitas coisas que não sabemos sobre os efeitos em longo prazo que essas mudanças causarão. Somente alguns poucos estudos foram feitos sobre os custos do aumento ou mudança do sinal produzido pelos animais. Nós ainda não sabemos qual é o limite máximo da flexibilidade vocal. Qual é o ponto que de tão barulhento, torna impossível a comunicação e o que acontece quando os animais tornarem-se incapazes de compensar o ruído com adaptações?

O que nós sabemos é que nossos ruídos têm um impacto na vida animal. Muitos deles estão tentando dizer o equivalente humano: Você pode me ouvir agora? E cada vez mais, a resposta é “não”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TURQUIA

AMOR

ASFIXIA

ATO DE AMOR

GENEROSIDADE

MOÇAMBIQUE

ÍNDIA

MINAS GERAIS

ESTUDO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>