Migrações misteriosas das baleias nos Açores estão sendo seguidas por satélite


São mais as incógnitas do que as certezas sobre as razões da passagem migratória das baleias pelos Açores. Uma equipe de investigadores, que as tem seguido por satélite, acredita que o arquipélago é um local de alimentação e orientação importante.

“Já estamos aquecendo os motores das embarcações, a melhorá-las e a preparar o equipamento”, contou Rui Prieto, do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores (DOP/UAç). Esta primavera, uma equipe de investigadores sairá para o mar agitado do arquipélago à procura de três das espécies de baleias que ali ocorrem: a baleia-azul (Balaenoptera musculus), a baleia-comum (Balaenoptera physalus) e a baleia-sardinheira (Balaenoptera borealis).

A partir de semirrígidos ou de uma embarcação cabinada, a equipe vai marcar as baleias com transmissores de satélite, com 300 gramas de peso, implantados com recurso a uma arma pneumática especialmente desenvolvida para este fim. “O nosso objetivo é marcar com sucesso entre 20 e 25 animais destas três espécies”, adiantou Rui Prieto ao PÚBLICO.

Desde 2008 que o Programa de Telemetria por Satélite de Grandes Baleias conseguiu marcar com sucesso um total de 16 animais. No entanto, os transmissores são rejeitados naturalmente pelas baleias ao fim de algumas semanas. “A bateria tem autonomia para vários meses mas o fator limitante é a rejeição pelo organismo do animal.”

Estas três espécies foram as escolhidas porque, segundo Rui Prieto, “a baleia-sardinheira é praticamente desconhecida no Atlântico Norte e as outras duas são bons indicadores do que outras espécies semelhantes podem estar fazendo”. “Não temos meios para trabalhar todas as espécies porque é algo que exige muitos recursos. Ainda assim, queremos, no futuro, expandir este trabalho, que atualmente é financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia através do Projecto TRACE”, considerou.

Mas nem todas as baleias estão na mira destes investigadores. “Não colocamos transmissores em crias e tentamos causar a menor perturbação possível aos animais instrumentados com os transmissores.”

Açores como local de alimentação

Dos dados já recolhidos, Rui Prieto pode dizer que as baleias utilizam os Açores como local de alimentação, a meio das suas migrações de verão. “A alimentação acontece debaixo de água mas conseguimos reparar em alguns indícios, nomeadamente, os peixes que surgem à superfície, as manchas de krill [crustáceo altamente calórico que é abundante nos Açores durante a Primavera] e a defecação”, explicou.

Para este ano, um dos objetivos será saber quanto tempo se demoram estes grandes mamíferos no arquipélago. “Será que passam aqui um dia ou um mês? Param nos Açores para comer uma ‘sandes’ ou um verdadeiro ‘banquete’? Como escolhem os cardumes de presas e que estratégias utilizam para encontrá-las?”. Estas são apenas algumas das perguntas sem resposta. Mas desde 2008 já existem dados concretos que demonstram que as espécies não se comportam da mesma maneira. “As duas baleias-azuis marcadas com sucesso passaram quase dois meses dentro da ZEE (Zona Económica Exclusiva] dos Açores; andaram em ziguezague, sempre para nordeste, muito lentamente, um padrão que indica que estavam se alimentando. As baleias-comuns passaram cá alguns dias se alimentando e seguidamente retomaram a migração para norte num trajeto quase direto, aparentemente com destino às águas entre a Gronelândia e a Islândia. As baleias-sardinheiras marcadas não passaram cá muito tempo”, resumiu o biólogo.

De acordo com Rui Prieto, as três espécies não passam pelos Açores na mesma altura. “Embora ocorram em simutâneo, primeiro aparecem as baleias-azuis e as baleias-comuns e só mais tarde as sardinheiras”. Na verdade, pouco se conhece sobre as rotas migratórias das baleias no Atlântico Norte. Ninguém sabe ao certo onde passam o inverno e que rotas tomam para ir para as áreas de alimentação de verão. Mas os investigadores acreditam que o arquipélago poderá funcionar como ponto de orientação durante a migração destes animais. “As populações do Atlântico Norte podem estar subdivididas em diferentes unidades, que utilizam áreas diferentes para alimentação e reprodução e têm pouco contato, ou podem constituir populações coesas.”, salientou.

Por isso, os investigadores utilizam fotografias para identificar os indivíduos e recolhem material genético, como pele, para permitir a comparação com animais de outras localidades dos dois lados do Atlântico e perceber a organização populacional das espécies.

Recentemente, O DOP/UAç levantou a ponta do véu. “Descobrimos que as baleias-sardinheiras que passam por aqui seguem para o mar do Labrador [mar do Atlântico Norte entre o Canadá e a Groenlândia]. Até hoje não se conhecia a origem dessas baleias que se sabiam estar naquele mar durante o verão. Foi uma surpresa completa”, considerou.

“São muitas as coisas que queremos tentar saber. Por exemplo, a forma como as baleias usam o habitat, as ilhas, os montes submarinos e as frentes oceânicas (zonas entre massas de água com características físicas diferentes) nos Açores e nas outras regiões”.

A boa notícia é que, enquanto os transmissores de satélite estiverem funcionando, “vai ser possível acompanhar os movimentos das baleias quase em tempo real numa página da Internet”, garantiu Rui Prieto.

Fonte: Público


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AVANÇO

COMPORTAMENTO

'SAVE RALPH'

ÍNDIA

REVOLTA

AÇÃO SOCIAL

MÉXICO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>